sicnot

Perfil

Mundo

Não vai haver operações terrestres russas "agora" na Síria, diz Putin

O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse numa entrevista difundida na televisão norte-americana que Moscovo não estava a planear operações terrestes na Síria "agora", mas que iria intensificar o seu apoio ao líder sírio, Bashar al-Assad.

Putin entrevistado pela televisão norte-americana CBS.

Putin entrevistado pela televisão norte-americana CBS.

© RIA Novosti / Reuters

Vladimir Putin falava no domingo no programa "60 Minutos" da CBS, na véspera do seu discurso na Assembleia Geral das Nações Unidas, onde se espera que defenda o homem forte da Síria, escreve a agência AFP.

Recentemente, o Presidente da Rússia ordenou a instalação de aviões de guerra e diverso material bélico na Síria.

Segundo os EUA, a Rússia terá enviado até 28 caças para uma base aérea de Latakia e tem em funcionamento 'drones' que já estão a efetuar operações de vigilância.

O reforço da presença militar de Moscovo na Síria deu origem a notícias de que a Rússia planeia levar a cabo ataques contra o autoproclamado Estado Islâmico e outros grupos radicais.

Putin disse, porém, que este não era o caso -- pelo menos imediatamente: "A Rússia não vai participar em nenhuma das operações do exército no território da Síria ou em qualquer outro estado. Bem, pelo menos não estamos a planear isso agora", disse à CBS, por intermédio de um tradutor.

"Mas estamos a considerar intensificar o nosso trabalho com o Presidente Assad e com os nossos parceiros noutros países", acrescentou.

O Presidente da Rússia reúne-se na segunda-feira com o Presidente dos EUA, Barack Obama, e espera-se que dois dos temas do encontro sejam a crise síria e o conflito na Ucrânia.

Lusa

  • Incêndio de Setúbal "quase dominado"
    4:04

    País

    O incêndio que deflagrou segunda-feira em Setúbal está "quase dominado", segundo informações da presidente da Câmara. Maria das Dores Meira diz que não há feridos a registar e que os habitantes já vão regressando a casa. Para ajudar no combate ao fogo foram enviados meios de Lisboa.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.