sicnot

Perfil

Mundo

Putin propõe na ONU criação de "ampla coligação" contra "jihadistas"

O Presidente russo, Vladimir Putin, propôs hoje na Assembleia-Geral da ONU a criação de uma "ampla coligação antiterrorista" para combater os 'jihadistas' na Síria e no Iraque.

Mary Altaffer

Essa coligação seria "semelhante à aliança contra Hitler" durante a Segunda Guerra Mundial, e os países árabes "nela desempenhariam um papel fundamental", acrescentou, na tribuna da Assembleia-Geral das Nações Unidas.

"Temos de abordar os problemas que enfrentamos todos e criar uma ampla coligação contra o terrorismo", disse Putin, na sua primeira intervenção na ONU em dez anos.

O chefe de Estado russo subiu à tribuna depois de o Presidente norte-americano, Barack Obama, se ter proposto colaborar com a Rússia e o Irão para acabar com a carnificina na Síria mas ter rejeitado apoiar o regime do Presidente sírio, Bashar al-Assad.

O líder russo atacou a recusa do Ocidente em cooperar com o exército e o Governo de Assad para combater o grupo extremista Estado Islâmico, que controla grandes parcelas de território na Síria e no Iraque.

"É um erro enorme não cooperar com aqueles que combatem frontalmente o terrorismo, e nós devíamos reconhecer que mais ninguém, além das Forças Armadas do Presidente Assad, está realmente a combater o Estado Islâmico e outras organizações terroristas na Síria", defendeu.

Washington tem insistido que Assad deve abandonar o poder como condição prévia para qualquer acordo de resolução do conflito, ao passo que as potências europeias adotaram uma posição mais moderada, indicando que ele poderá continuar no cargo, mas como interino.

Putin deverá manter hoje ainda a sua primeira reunião com Obama em mais de dois anos, à margem da Assembleia-geral da ONU.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.