sicnot

Perfil

Mundo

Putin propõe na ONU criação de "ampla coligação" contra "jihadistas"

O Presidente russo, Vladimir Putin, propôs hoje na Assembleia-Geral da ONU a criação de uma "ampla coligação antiterrorista" para combater os 'jihadistas' na Síria e no Iraque.

Mary Altaffer

Essa coligação seria "semelhante à aliança contra Hitler" durante a Segunda Guerra Mundial, e os países árabes "nela desempenhariam um papel fundamental", acrescentou, na tribuna da Assembleia-Geral das Nações Unidas.

"Temos de abordar os problemas que enfrentamos todos e criar uma ampla coligação contra o terrorismo", disse Putin, na sua primeira intervenção na ONU em dez anos.

O chefe de Estado russo subiu à tribuna depois de o Presidente norte-americano, Barack Obama, se ter proposto colaborar com a Rússia e o Irão para acabar com a carnificina na Síria mas ter rejeitado apoiar o regime do Presidente sírio, Bashar al-Assad.

O líder russo atacou a recusa do Ocidente em cooperar com o exército e o Governo de Assad para combater o grupo extremista Estado Islâmico, que controla grandes parcelas de território na Síria e no Iraque.

"É um erro enorme não cooperar com aqueles que combatem frontalmente o terrorismo, e nós devíamos reconhecer que mais ninguém, além das Forças Armadas do Presidente Assad, está realmente a combater o Estado Islâmico e outras organizações terroristas na Síria", defendeu.

Washington tem insistido que Assad deve abandonar o poder como condição prévia para qualquer acordo de resolução do conflito, ao passo que as potências europeias adotaram uma posição mais moderada, indicando que ele poderá continuar no cargo, mas como interino.

Putin deverá manter hoje ainda a sua primeira reunião com Obama em mais de dois anos, à margem da Assembleia-geral da ONU.

Lusa

  • Advogados de Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático
    2:13

    Operação Marquês

    Os advogados de José Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático e garantem que o antigo primeiro-ministro nunca favoreceu Ricardo Salgado ou o Grupo Espirito Santo. Segundo o Expresso, o presidente da Escom, Helder Bataglia, terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, alegadamente para o amigo José Sócrates.

  • Marcelo diz que é hora de valorizar o poder local
    0:40

    País

    O Presidente da República diz que este é o momento para valorizar o poder local. Sobre a descida da Taxa Social Única, Marcelo Rebelo de Sousa recusou comentar e negou que haja crispação politica entre Governo e oposição.

  • Marine Le Pen diz que Brexit terá efeito dominó na UE
    0:39

    Brexit

    Marine Le Pen diz que o Brexit vai ter um efeito dominó na União Europeia. Durante um congresso da extrema-direita, a lider da Frente Nacional francesa afirmou que a Europa vai despertar este ano em que estão marcadas eleiçoes em vários países, como a Alemanha e a Holanda.