sicnot

Perfil

Mundo

Coligação árabe nega ter bombardeado sala de casamento no Iémen

A coligação árabe liderada pela Arábia Saudita que intervém no Iémen negou hoje qualquer responsabilidade no bombardeamento, na segunda-feira, da sala onde decorria um casamento e que provocou 131 mortos em Mokha (sul).

Bombardeamento da coligação árabe sobre a capital do Iémen, Sanaa,

Bombardeamento da coligação árabe sobre a capital do Iémen, Sanaa,

© Khaled Abdullah Ali Al Mahdi

A coligação, que se colocou ao lado do antigo governo iemenita contra a rebelião xiita 'huthi' e aliados, "não efetuou 'raides' aéreos nesta região nos três últimos dias", declarou à AFP o seu porta-voz, general Ahmed Al-Assiri.

As informações que atribuem o bombardeamento à coligação são "totalmente infundadas", acrescentou, assegurando ainda que a coligação "admite sempre os seus erros se cometer algum".

Numa referência ao "caos" no Iémen, o general Assiri sublinhou "não ser verdade que cada explosão que ocorre no Iémen tenha origem na coligação".

Um responsável provincial do setor da saúde no oeste do Iémen declarou hoje à agência noticiosa AFP que "o bombardeamento da sala onde decorria o casamento fez um total de 131 mortos", sem se referir a um ataque aéreo.

No entanto, os habitantes de Mokha e a agência Saba, controlada pelos rebeldes xiitas 'huthis' atribuíram a responsabilidade do bombardeamento à coligação.

"É uma situação provocada pelos 'huthis'", comentou fonte da coligação, ao exigir um inquérito "independente" sobre o bombardeamento.

"Podemos provar por satélite que não sobrevoámos a zona", acrescentou sob anonimato.

A coligação tem sido acusada de ter cometido "erros graves" no decurso dos seus 'raides' aéreos no Iémen iniciados em 26 de março, designadamente sobre uma fábrica de engarrafamento de água em agosto na província de Hajja (17 civis mortos), às habitações de empregados de uma central elétrica em julho em Mokha (65 civis mortos) e sobre uma fábrica leiteira em abril em Hodeida (oeste, 35 mortos).

Segundo a ONU, cerca de 5.000 pessoas foram mortas e 25.000 feridas, incluindo numerosos civis, desde o início do conflito.

Lusa

  • Passos nega que resultado das autárquicas ponham em causa liderança do PSD
    7:46
  • PS e PSD trocam acusações sobre Tancos
    1:18
  • Homens vítimas de violência doméstica
    31:17
  • Marcelo mergulha na baía de Luanda
    0:45
  • Marcelo garante que relações com Angola "estão vivas"
    1:50

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa sublinhou esta segunda-feira as boas relações entre Portugal e Angola. À chegada a Luanda para a posse do novo Presidente angolano João Lourenço, o chefe de Estado português aproveitou para tomar um banho de mar.

  • Défice chegou aos 2.034 milhões em agosto
    1:51

    Economia

    O défice do Estado caiu 1.900 milhões de euros até agosto, em comparação com o ano passado. A recuperação da economia ajudou a baixar o défice, com mais receitas e impostos acima do esperado. Já a despesa pública ficou praticamente inalterada e os pagamentos do Estado em atraso subiram.

  • Morreu a egípcia que chegou a pesar 500 quilos

    Mundo

    A egípcia Eman Ahmed Abd El Aty, de 37 anos, que chegou a pesar 500 quilos, morreu num hospital de Abu Dabi, nos Emirados Árabes Unidos, devido a complicações cardíacas na sequência do seu excesso de peso.