sicnot

Perfil

Mundo

Coligação árabe nega ter bombardeado sala de casamento no Iémen

A coligação árabe liderada pela Arábia Saudita que intervém no Iémen negou hoje qualquer responsabilidade no bombardeamento, na segunda-feira, da sala onde decorria um casamento e que provocou 131 mortos em Mokha (sul).

Bombardeamento da coligação árabe sobre a capital do Iémen, Sanaa,

Bombardeamento da coligação árabe sobre a capital do Iémen, Sanaa,

© Khaled Abdullah Ali Al Mahdi

A coligação, que se colocou ao lado do antigo governo iemenita contra a rebelião xiita 'huthi' e aliados, "não efetuou 'raides' aéreos nesta região nos três últimos dias", declarou à AFP o seu porta-voz, general Ahmed Al-Assiri.

As informações que atribuem o bombardeamento à coligação são "totalmente infundadas", acrescentou, assegurando ainda que a coligação "admite sempre os seus erros se cometer algum".

Numa referência ao "caos" no Iémen, o general Assiri sublinhou "não ser verdade que cada explosão que ocorre no Iémen tenha origem na coligação".

Um responsável provincial do setor da saúde no oeste do Iémen declarou hoje à agência noticiosa AFP que "o bombardeamento da sala onde decorria o casamento fez um total de 131 mortos", sem se referir a um ataque aéreo.

No entanto, os habitantes de Mokha e a agência Saba, controlada pelos rebeldes xiitas 'huthis' atribuíram a responsabilidade do bombardeamento à coligação.

"É uma situação provocada pelos 'huthis'", comentou fonte da coligação, ao exigir um inquérito "independente" sobre o bombardeamento.

"Podemos provar por satélite que não sobrevoámos a zona", acrescentou sob anonimato.

A coligação tem sido acusada de ter cometido "erros graves" no decurso dos seus 'raides' aéreos no Iémen iniciados em 26 de março, designadamente sobre uma fábrica de engarrafamento de água em agosto na província de Hajja (17 civis mortos), às habitações de empregados de uma central elétrica em julho em Mokha (65 civis mortos) e sobre uma fábrica leiteira em abril em Hodeida (oeste, 35 mortos).

Segundo a ONU, cerca de 5.000 pessoas foram mortas e 25.000 feridas, incluindo numerosos civis, desde o início do conflito.

Lusa

  • Pelo menos dois feridos em confrontos entre adeptos do Benfica e do Braga
    1:55

    Desporto

    Antes do jogo do Benfica e do Sporting de Braga, registaram-se confrontos entre os adeptos, no Estádio Municipal de Braga. Os confrontos causaram pelo menos dois feridos. Os benfiquistas queixaram-se de agressões e criticaram a ausência da polícia. Várias viaturas foram danificadas durante os distúrbios e a PSP chegou a separar adeptos do Braga e do Benfica.

  • Outros casos de fuga de prisões portuguesas
    2:58

    País

    Nos últimos cinco anos, 52 reclusos fugiram de cadeias portuguesas, mas foram todos recapturados. Entre 1999 e 2009, fugiram oito reclusos da prisão de Caxias. Em 2005, um homem condenado a 21 anos de prisão fugiu de Coimbra, viajando por França e pela Polónia. Manuel Simões acabou por ser detido no regresso a Portugal.

  • Portugal sem resposta de Moçambique sobre português desaparecido em Maputo
    1:25

    País

    Portugal tem tentado, sem sucesso, obter respostas das autoridades moçambicanas sobre o rapto de um empresário português há sete meses. De acordo com a notícia avançada este domingo pelo jornal Público, uma carta enviada há duas semanas pelo Presidente da República ao homólogo moçambicano não teve resposta. O Governo de Moçambique tem ignorado pedidos de informação das autoridades portuguesas.

  • Donald Trump culpa imigrantes por ataque que nunca existiu
    1:01
  • Táxi capaz de sobrevoar filas de trânsito ainda este ano no Dubai

    Mundo

    É o sonho de muitos que passam horas intermináveis em filas de trânsito. Trata-se de um drone com capacidade para transportar pessoas. "Operações regulares" deste insólito aparelho terão início em julho, no Dubai. O anúncio foi feito pela entidade que gere os transportes da cidade. Apenas um passageiro, com o peso máximo de 100 kg, pode seguir viagem neste táxi revolucionário, capaz de sobrevoar vias congestionadas pelo trânsito.