sicnot

Perfil

Mundo

Coligação árabe nega ter bombardeado sala de casamento no Iémen

A coligação árabe liderada pela Arábia Saudita que intervém no Iémen negou hoje qualquer responsabilidade no bombardeamento, na segunda-feira, da sala onde decorria um casamento e que provocou 131 mortos em Mokha (sul).

Bombardeamento da coligação árabe sobre a capital do Iémen, Sanaa,

Bombardeamento da coligação árabe sobre a capital do Iémen, Sanaa,

© Khaled Abdullah Ali Al Mahdi

A coligação, que se colocou ao lado do antigo governo iemenita contra a rebelião xiita 'huthi' e aliados, "não efetuou 'raides' aéreos nesta região nos três últimos dias", declarou à AFP o seu porta-voz, general Ahmed Al-Assiri.

As informações que atribuem o bombardeamento à coligação são "totalmente infundadas", acrescentou, assegurando ainda que a coligação "admite sempre os seus erros se cometer algum".

Numa referência ao "caos" no Iémen, o general Assiri sublinhou "não ser verdade que cada explosão que ocorre no Iémen tenha origem na coligação".

Um responsável provincial do setor da saúde no oeste do Iémen declarou hoje à agência noticiosa AFP que "o bombardeamento da sala onde decorria o casamento fez um total de 131 mortos", sem se referir a um ataque aéreo.

No entanto, os habitantes de Mokha e a agência Saba, controlada pelos rebeldes xiitas 'huthis' atribuíram a responsabilidade do bombardeamento à coligação.

"É uma situação provocada pelos 'huthis'", comentou fonte da coligação, ao exigir um inquérito "independente" sobre o bombardeamento.

"Podemos provar por satélite que não sobrevoámos a zona", acrescentou sob anonimato.

A coligação tem sido acusada de ter cometido "erros graves" no decurso dos seus 'raides' aéreos no Iémen iniciados em 26 de março, designadamente sobre uma fábrica de engarrafamento de água em agosto na província de Hajja (17 civis mortos), às habitações de empregados de uma central elétrica em julho em Mokha (65 civis mortos) e sobre uma fábrica leiteira em abril em Hodeida (oeste, 35 mortos).

Segundo a ONU, cerca de 5.000 pessoas foram mortas e 25.000 feridas, incluindo numerosos civis, desde o início do conflito.

Lusa

  • Mais de um milhão de crianças em risco de morrer à fome
    1:23

    Mundo

    Cerca de 1.4 milhões de crianças estão em risco iminente de morrer à fome. Deste modo, a UNICEF faz um apelo urgente de cerca de 230 milhões de euros para levar nos próximos meses comida, água e serviços médicos a estas crianças. As imagens desta reportagem podem impressionar os espectadores mais sensíveis.

  • Vídeo amador mostra destruição na Síria
    1:04

    Mundo

    A guerra na Síria continua a fazer vítimas mortais. Um vídeo amador divulgado esta segunda-feira mostra o estado de uma localidade a este de Damasco, depois de um ataque aéreo no fim-de-semana. No ataque, 16 pessoas morreram e há várias dezenas de feridos.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35
  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32
  • Homem que esfaqueou mulher em Esmoriz é acusado de homicídio qualificado
    1:24

    País

    O homem que no sábado esfaqueou a mulher em Esmoriz está acusado de homicídio qualificado. O arguido de 50 anos foi ouvido esta segunda-feira pelo juiz de instrução e ficou em prisão preventiva, uma medida fundamentada pelo perigo de fuga e de alarme. O homem remeteu-se ao silêncio durante o interrogatório, no Tribunal de Aveiro.

  • Homem condenado a oito anos e meio por abuso sexual da mãe
    1:10

    País

    O Tribunal de Coimbra condenou esta segunda-feira um homem de 53 anos a oito anos e meio de prisão por abuso sexual da mãe e ainda por crimes de roubo e coação. A mãe, de 70 anos, sofria de problemas nervosos e consumia bebidas alcoólicas com frequência, tendo sido vítima de abuso sexual por parte do filho enquanto dormia. Os crimes cometidos remetem para o início de 2016, depois do homem já ter cumprido outras penas de prisão em Espanha.

  • Jovem de 21 anos morre colhida por comboio na linha da Beira Baixa
    0:43

    País

    Uma jovem de 21 anos morreu esta segunda-feira ao ser atropelada pelo comboio Intercidades à saída da estação de Castelo Branco, na linha da Beira Baixa. A vítima foi colhida pelo comboio que seguia no sentido Lisboa-Covilhã ao atravessar a linha de caminho de ferro. Este é um local onde não existe passagem de nível, mas habitualmente muitas pessoas arriscam fazer a travessia da linha.

  • Banco do Metro com pénis gera polémica no México

    Mundo

    Um banco em formato de homem com o pénis exposto, numa das carruagens de Metro da Cidade do México, está a gerar polémica. A iniciativa integra uma campanha contra o assédio sexual de que as mulheres são vítima no país.