sicnot

Perfil

Mundo

Líder catalão vai a tribunal devido ao referendo sobre independência de 9 de novembro

O Tribunal Superior de Justiça da Catalunha convocou o ainda presidente da região, Artur Mas, para prestar declarações sobre a consulta pela independência, podendo ser acusado de crimes de "desobediência grave" e "usurpação de funções".

© Stringer Spain / Reuters

O caso diz respeito a uma tentativa do Governo regional da Catalunha de realizar um referendo sobre a independência no final do ano passado, a 09 de novembro, algo que o Tribunal Constitucional proibiu a 04 de novembro - invocando vários artigos da Lei fundamental espanhola.

A 19 de setembro de 2014 o parlamento catalão tinha aprovado uma norma sobre consultas de autodeterminação e dois dias depois o Governo regional (Generalitat), liderada por Artur Mas, assinou o decreto de convocatória da consulta.

Foi com esta lei que Artur Mas tentou contornar a decisão do Tribunal Constitucional - que viria a acontecer a 04 de novembro - para realizar uma consulta sobre autodeterminação da Catalunha, que se realizou cinco dias depois, a 09 de novembro.

Nessa consulta participaram 2.344.828 pessoas, das quais 80,91% apoiou a independência respondendo "Sim-Sim" às duas perguntas colocadas: "Quer que a Catalunha seja um Estado?" e, caso tenha respondido sim, "Quer que seja um Estado independente?". Cerca de 10% dos votantes escolheram "Sim-Não" e 4,49% dos eleitores optaram por "Não-Não".

Em novembro, a Procuradoria-Geral do Estado espanhol apresentaram uma queixa por causa da consulta e a 21 de dezembro o Tribunal Superior de Justiça da Catalunha admitiu para processo a queixa, mas apenas contra Artur Mas, a ex-vice-presidente Joana Ortega e a Conselheira para a Educação, Irene Rigau.

A queixa inclui a acusação de delitos de desobediência grave, prevaricação, uso indevido de dinheiros públicos e usurpação de funções no processo participativo de 09 de novembro. Estes delitos são punidos, entre outras, com a destituição de funções.

O Governo regional catalão apresentou recurso, recusado pelo Tribunal Superior de Justiça da Catalunha, que deu andamento ao processo e agora, dois dias depois das eleições autonómicas na região, convocou os três imputados a prestar declarações no âmbito da queixa.

O plenário da seção civil e penal do TSJC, depois de mais de quatro horas de reunião, acordou por maioria admitir "todas as denúncias e queixas relativas a alegada desobediência da resolução do Tribunal Constitucional de 04 de novembro de 2014".

Assim, Artur Mas foi convocado para testemunhar em tribunal a 15 de outubro, enquanto Ortega e Rigau prestam declarações dois dias antes, a 13 de outubro.

A decisão do Tribunal catalão surge dois dias depois de umas eleições autonómicas na Catalunha, convertidas em "referendo de facto" sobre a independência, nas quais a plataforma independentista de Artur Mas ganhou em número de assentos, mas perdeu a votação popular, com o "Sim" a não obter mais do que 47,8% dos votos.

A plataforma de Mas, a Junts pel Sí, já declarou que pretende seguir em frente com o processo de declaração de independência, mas o outro partido que defendia esta via, a CUP [da qual Mas depende para aprovar uma norma nesse sentido], já descartou por enquanto essa possibilidade, bem como a investidura do próprio Mas como presidente.

Lusa

  • Expectativas e incertezas quanto ao futuro da Catalunha
    1:55

    Mundo

    Na Catalunha, mantêm-se as mesmas expectativas e incertezas quanto ao futuro. Os enviados da SIC Rodrigo Pratas e Bernardo Bogarim fizeram uma ronda pelas primeiras páginas dos jornais espanhóis. Os independentistas do "Juntos plo Sim" foram os grandes vencedores das eleições autonómicas, mas ainda assim precisam de se unir à "Candidatura de Unidade Popular" para chegarem à maioria parlamentar.

  • Outros casos de fuga de prisões portuguesas
    2:58

    País

    Nos últimos cinco anos, 52 reclusos fugiram de cadeias portuguesas, mas foram todos recapturados. Entre 1999 e 2009, fugiram oito reclusos da prisão de Caxias. Em 2005, um homem condenado a 21 anos de prisão fugiu de Coimbra, viajando por França e pela Polónia. Manuel Simões acabou por ser detido no regresso a Portugal.

  • Portugal sem resposta de Moçambique sobre português desaparecido em Maputo
    1:25

    País

    Portugal tem tentado, sem sucesso, obter respostas das autoridades moçambicanas sobre o rapto de um empresário português há sete meses. De acordo com a notícia avançada este domingo pelo jornal Público, uma carta enviada há duas semanas pelo Presidente da República ao homólogo moçambicano não teve resposta. O Governo de Moçambique tem ignorado pedidos de informação das autoridades portuguesas.

  • Táxi capaz de sobrevoar filas de trânsito ainda este ano no Dubai

    Mundo

    É o sonho de muitos que passam horas intermináveis em filas de trânsito. Trata-se de um drone com capacidade para transportar pessoas. "Operações regulares" deste insólito aparelho terão início em julho, no Dubai. O anúncio foi feito pela entidade que gere os transportes da cidade. Apenas um passageiro, com o peso máximo de 100 kg, pode seguir viagem neste táxi revolucionário, capaz de sobrevoar vias congestionadas pelo trânsito.