sicnot

Perfil

Mundo

Refugiados, violência doméstica e o mar marcam discurso de Cavaco na sede da ONU

Refugiados, violência doméstica e o mar marcam discurso de Cavaco na sede da ONU

Com algumas horas de atraso por causa das várias intervenções de chefes de Estado, Cavaco Silva também discursou na Assembleia Geral das Nações Unidas. A situação dos refugiados, a violência sobre as mulheres e a sustentabilidade dos oceanos foram os pontos fortes do discurso que o Presidente da República fez em Nova Iorque.

Hoje o Presidente da República encontra-se, em Nova Iorque, com PM de Timor-Leste e comunidade portuguesa

Depois de segunda-feira ter participado na sessão de abertura da 70.ª Assembleia Geral das Nações Unidas, o chefe de Estado português, Aníbal Cavaco Silva, regressa hoje à sede da organização para participar na abertura da cimeira dos líderes sobre a luta contra o terrorismo e o extremismo violento, convocada pelo Presidente dos Estados Unidos da América, Barack Obama.

Ainda durante a manhã, Cavaco Silva terá encontros bilaterais com os seus homólogos do Kosovo, Paraguai e Colômbia.

Depois do almoço, pelas 15:00 locais, o Presidente da República terá um encontro com o primeiro-ministro de Timor-Leste. Esta será a primeira vez que Cavaco Silva estará com Rui Maria de Araújo, no cargo desde fevereiro.

Ao final da tarde, o Presidente da República partirá para Newark, onde se irá encontrar com a comunidade portuguesa. No último grande encontro do chefe de Estado com as comunidades estarão presentes portugueses e luso-descendentes oriundos de vários Estados norte-americanos da Costa Leste.

Lusa

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão