sicnot

Perfil

Mundo

Homem linchado na Índia por comer carne de vaca

Um homem foi linchado na Índia alegadamente por consumir carne de vaca. O incidente aconteceu a menos de 50 quilómetros de Nova Deli, onde Mohammad Akhlaq vivia com a família.

Reuters

Mohammad Akhlaq, um agricultor de 50 anos, foi pontapeado e agredido com pedras por um grupo de homens em Dadri, estado de Uttar Pradesh, na Índia. O filho de 22 anos ficou gravemente ferido e deu entrada no hospital. Seis suspeitos foram detidos.

A família de Akhlaq garante que tinha no seu frigorífico carne de borrego e não de vaca. A polícia confiscou a carne, para futura análise.

"Alguns locais espalharam rumores de que os Akhlaq tinham carne de vaca em casa e que matavam vacas. Seguindo os rumores, eles atacarm a sua casa", explicou o chefe da polícia ao jornal local.

O abate de vacas é um tema sensível na Índia, já que o animal é considerado sagrado pelos hindus - cerca de 80% da população do país.

Uttar Pradesh é um dos Estados com leis muito restritivas sobre o abate e consumo de vaca.

  • Reportagem Especial dá a voz aos despedidos da banca
    1:18
  • CEMGFA admite que várias armas roubadas estão em condições de ser usadas
    2:06

    Assalto em Tancos

    Afinal há várias armas roubadas em Tancos que estão em condições de ser utilizadas, sendo que apenas os lança-granadas-foguete estão obsoletos. Esta manhã, o general Pina Monteiro admitiu, no Parlamento, que a declaração que fez há duas semanas pode ter induzido em erro a opinião pública. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) diz, ainda, que se houvesse indícios sobre colaboração do Exército neste caso, os suspeitos estariam presos.

  • Pais de Charlie Gard querem que o bebé morra em casa

    Mundo

    Depois de terem renunciado à batalha judicial para manterem o filho com vida, os pais do bebé britânico Charlie Gard desejam agora levar a criança para morrer em casa. O desejo foi revelado pelo advogado de Chris Gard e Connie Yates, numa audiência esta tarde, no Supremo Tribunal de Londres. Contudo, o hospital responsável pelo caso admite que os cuidados a Charlie não podem ser feitos em casa.