sicnot

Perfil

Mundo

Mahmud Abbas pede na ONU reconhecimento total do Estado da Palestina

O presidente da Autoridade Palestiniana, Mahmud Abbas, disse hoje perante a Assembleia geral da ONU que a Palestina merece um "total reconhecimento" enquanto Estado.

A Grécia vai reconhecer o Estado palestiniano numa votação que decorrerá na terça-feira no Parlamento na presença do presidente da Palestina, Mahmud Abbas (AP/Arquivo)

A Grécia vai reconhecer o Estado palestiniano numa votação que decorrerá na terça-feira no Parlamento na presença do presidente da Palestina, Mahmud Abbas (AP/Arquivo)

Sergei Ilnitsky

"A Palestina, que é um Estado observador não-membro das Nações Unidas, merece ser reconhecido integralmente como um Estado", declarou Abbas, ao evocar "os enormes sacrifícios" consentidos pelos palestinianos e a sua "paciência ao longo de todos estes anos de sofrimento e exílio".

O presidente palestiniano apelou igualmente ao "reconhecimento do Estado da Palestina a todos os países que ainda não o fizeram" e quando ocorreram no decurso de 2015, em diversos países europeus, debates e votos parlamentares favoráveis ao reconhecimento.

De seguida, Mahmud Abbas assistiu, pela primeira vez na história da ONU, ao hastear da bandeira palestiniana na fachada da instituição internacional.

"Neste momento histórico, digo ao meu povo em todo o lado: levantem bem alto a bandeira dos palestinianos porque é o símbolo da nossa identidade", disse Abbas no decurso da cerimónia ao ar livre.

No discurso prévio, o líder palestiniano também ameaçou deixar de respeitar os acordos com Israel caso o Estado judaico continue a rejeitá-los, em particular ao prosseguir a política de construção de novos colonatos na Cisjordânia ocupada.

"Declaramos que não podemos continuar a estar comprometidos por esses acordos que são continuamente violados pelo Estado judaico, que deve assumir plenamente todas as suas responsabilidades enquanto potência ocupante, porque o 'statu quo' não pode continuar", referiu perante a Assembleia geral.

Esta ameaça, que tem sido agitada por responsáveis palestinianos, implicaria a dissolução de facto da Autoridade Palestiniana caso fosse posta em prática.

Segundo as Convenções de Genebra, Israel deveria então assumir totalmente as responsabilidades administrativas da população dos territórios ocupados.

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.