sicnot

Perfil

Mundo

Netanyahu considera "enganoso" o discurso de Mahmud Abbas na ONU

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, criticou hoje a intervenção do presidente da Autoridade Nacional Palestiniana, Mahmud Abbas, na Assembleia-geral da ONU, que classificou de "enganoso".

© POOL New / Reuters

No seu discurso, Mahmud Abbas disse que o seu lado não podia ser o único comprometido com acordos.

Durante a Assembleia-Geral, o líder palestiniano também apelou a Israel para que "pare com o uso da força bruta (...) particularmente nas suas ações na mesquita de Al-Aqsa", acusando Israel de violar o estatuto do local e de impedir os fiéis de lhe acederem.

Os confrontos das últimas semanas, entre a polícia israelita e cidadãos palestinianos, na zona ocupada de Jerusalém, fez aumentar a tensão e levou Abbas a alertar para o risco de um levantamento ou de uma terceira intifada.

Em reação, o gabinete de Benjamin Netanyahu considerou o discurso de Abbas "enganoso" e "encorajador" da ação anti-israelita e da destruição no Médio Oriente.

"Ao contrário dos palestinianos, Israel preserva o 'status quo' no Monte do Templo [onde está situada a mesquita de Al-Aqsa] e está empenhado em mantê-lo", continuou Netanyahu.

Os judeus estão autorizados a visitar o Monte do Templo, que veneram como um lugar sagrado, mas estão proibidos de rezar no local.

Abbas também acusou Israel de recusar comprometer-se com acordos anteriores, deixando os palestinianos sem outra opção que não seja lembrar "que não serão os únicos comprometidos com a implementação desses acordos, enquanto Israel continua a violá-los".

Por seu lado, Netanyahu apelou a Abbas para que aceite a sua oferta e se comprometa em negociações diretas com Israel, sem condições prévias, e o seu gabinete considerou que "o facto de esta oferta ser recusada uma vez após outra é a melhor prova de que ele [Abbas] não está à procura de um acordo de paz".

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras