sicnot

Perfil

Mundo

Mais de quatro mil mortos em setembro na Síria

A violência na Síria fez no passado mês de setembro 4219 mortos, incluindo 1201 civis, divulgou esta quinta-feira o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

© Rodi Said / Reuters

De acordo com a organização, este número revelou um decréscimo face ao mês anterior (agosto), altura em que foram contabilizadas 4.830 mortes.

Em setembro, entre as vítimas mortais civis constavam 257 menores e 141 mulheres.

A maioria das vítimas civis morreu na sequência dos bombardeamentos conduzidos pelas forças do regime do Presidente sírio, Bashar al-Assad, indicou o OSDH, precisando que as ofensivas de Damasco causaram 489 baixas civis.

A organização referiu igualmente que 41 pessoas foram assassinadas pelo grupo extremista Estado Islâmico (EI) e que 18 morreram durante os ataques aéreos da coligação internacional liderada pelos Estados Unidos.

Do lado dos opositores do regime sírio, pelo menos 1.731 combatentes perderam a vida. Entre estes combatentes, 557 eram sírios oriundos de diversas fações islamitas e curdas e quatro eram desertores das forças governamentais.

Os restantes 1.173 milicianos eram membros estrangeiros da Frente al Nosra (grupo sírio com ligações à Al-Qaida) e do EI, bem como do radical Exército dos Emigrantes e dos Defensores.

As fileiras do regime de Damasco sofreram um total de 1.273 baixas: 606 efetivos das forças regulares, 615 milicianos pró-governamentais, 30 membros do grupo xiita libanês Hezbollah e 22 combatentes xiitas de outras nacionalidades.

A Síria é desde março de 2011 cenário de uma guerra civil que já provocou mais de 240 mil mortos, segundo o observatório.

Na quarta-feira, a aviação russa iniciou ataques aéreos na Síria, ação que poderá afetar o curso do conflito.

Moscovo, um aliado tradicional do regime de Damasco, garante que os bombardeamentos visaram posições do EI, mas os Estados Unidos e a França admitiram que outros grupos possam ter sido visados.

Segundo a Coligação Nacional Síria (CNFROS), o principal grupo da oposição síria, pelo menos 36 civis morreram nestes primeiros ataques russos.

Lusa

  • Negócios do fogo
    22:00
  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.

  • "Meninas proibidas de usar saias curtas e roupa transparente" para evitar abusos em Timor
    0:50
  • "De repente ele estava em cima de mim a beijar-me e a apalpar-me"
    2:43