sicnot

Perfil

Mundo

Sobe para 464 número de iranianos mortos em debandada, em Meca

O número de iranianos mortos na sequência da debandada em Mina, perto de Meca, aumentou para 464, segundo um balanço publicado hoje pela comissão organizadora iraniana do Hajj, uma semana após a tragédia.

© Stringer Shanghai / Reuters

"Sete dias depois do trágico acidente (a debandada em Mina) e de investigações incansáveis (...), o número de peregrinos iranianos que foram para o céu, enquanto estavam a realizar os rituais do Hajj em Mina, é de 464", divulgou a comissão organizadora, em comunicado.

Um anterior balanço dava conta de pelo menos 239 peregrinos iranianos mortos e outros 241 nacionais desaparecidos durante a peregrinação em Mina, perto de Meca.

Os ministros saudita e iraniano acordaram hoje, em Jedá, o repatriamento dos corpos dos peregrinos iranianos mortos na debandada perto de Meca na semana passada, informou a agência oficial saudita.

O Irão é o país com maior número de vítimas do incidente, que, segundo Riade, causou um total de 769 mortos e 934 feridos, de várias nacionalidades, durante um dos rituais da peregrinação anual dos muçulmanos, na quinta-feira passada.

Esta debandada é o segundo trágico incidente a atingir os fiéis muçulmanos este ano na Arábia Saudita, após a queda, dez dias antes, de uma grua no interior da grande mesquita de Meca, que causou a morte de 109 pessoas e feriu mais de 400.

O ritual do Hajj está entre os cinco pilares do islamismo e todos os muçulmanos deverão realizar a peregrinação a Meca pelo menos uma vez na vida.

Lusa

  • BE diz que é urgente preparar o país para a saída do euro
    1:10

    País

    Catarina Martins diz que é urgente preparar o país para o cenário de saída do euro. No final da reunião da mesa nacional do Bloco de Esquerda, a coordenadora do partido criticou o encontro de líderes europeus em Roma e disse ainda que a Europa da convergência chegou ao fim.

  • "Mais UE não significa mais Europa"
    0:50

    País

    O secretário-geral do PCP insiste nas críticas à União Europeia. Um dia depois da comemoração dos 60 anos do Tratado de Roma, Jerónimo de Sousa defendeu, no Seixal, que o modelo europeu está esgotado e prejudica vários países, incluindo Portugal.

  • Aplicação WhatsApp acusada de permitir conversas secretas entre terroristas
    1:45
  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".