sicnot

Perfil

Mundo

Sobe para 464 número de iranianos mortos em debandada, em Meca

O número de iranianos mortos na sequência da debandada em Mina, perto de Meca, aumentou para 464, segundo um balanço publicado hoje pela comissão organizadora iraniana do Hajj, uma semana após a tragédia.

© Stringer Shanghai / Reuters

"Sete dias depois do trágico acidente (a debandada em Mina) e de investigações incansáveis (...), o número de peregrinos iranianos que foram para o céu, enquanto estavam a realizar os rituais do Hajj em Mina, é de 464", divulgou a comissão organizadora, em comunicado.

Um anterior balanço dava conta de pelo menos 239 peregrinos iranianos mortos e outros 241 nacionais desaparecidos durante a peregrinação em Mina, perto de Meca.

Os ministros saudita e iraniano acordaram hoje, em Jedá, o repatriamento dos corpos dos peregrinos iranianos mortos na debandada perto de Meca na semana passada, informou a agência oficial saudita.

O Irão é o país com maior número de vítimas do incidente, que, segundo Riade, causou um total de 769 mortos e 934 feridos, de várias nacionalidades, durante um dos rituais da peregrinação anual dos muçulmanos, na quinta-feira passada.

Esta debandada é o segundo trágico incidente a atingir os fiéis muçulmanos este ano na Arábia Saudita, após a queda, dez dias antes, de uma grua no interior da grande mesquita de Meca, que causou a morte de 109 pessoas e feriu mais de 400.

O ritual do Hajj está entre os cinco pilares do islamismo e todos os muçulmanos deverão realizar a peregrinação a Meca pelo menos uma vez na vida.

Lusa

  • Coreia do Norte foi "isolada à força"

    Mundo

    O empresário espanhol León Smit, que organiza visitas à Coreia do Norte, diz que o país foi "isolado à força", sendo "muito difícil" estabelecer relações comerciais com Pyongyang, sob o regime de Kim Jong-un.

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Segunda-feira no Jornal da Noite