sicnot

Perfil

Mundo

Sobe para 464 número de iranianos mortos em debandada, em Meca

O número de iranianos mortos na sequência da debandada em Mina, perto de Meca, aumentou para 464, segundo um balanço publicado hoje pela comissão organizadora iraniana do Hajj, uma semana após a tragédia.

© Stringer Shanghai / Reuters

"Sete dias depois do trágico acidente (a debandada em Mina) e de investigações incansáveis (...), o número de peregrinos iranianos que foram para o céu, enquanto estavam a realizar os rituais do Hajj em Mina, é de 464", divulgou a comissão organizadora, em comunicado.

Um anterior balanço dava conta de pelo menos 239 peregrinos iranianos mortos e outros 241 nacionais desaparecidos durante a peregrinação em Mina, perto de Meca.

Os ministros saudita e iraniano acordaram hoje, em Jedá, o repatriamento dos corpos dos peregrinos iranianos mortos na debandada perto de Meca na semana passada, informou a agência oficial saudita.

O Irão é o país com maior número de vítimas do incidente, que, segundo Riade, causou um total de 769 mortos e 934 feridos, de várias nacionalidades, durante um dos rituais da peregrinação anual dos muçulmanos, na quinta-feira passada.

Esta debandada é o segundo trágico incidente a atingir os fiéis muçulmanos este ano na Arábia Saudita, após a queda, dez dias antes, de uma grua no interior da grande mesquita de Meca, que causou a morte de 109 pessoas e feriu mais de 400.

O ritual do Hajj está entre os cinco pilares do islamismo e todos os muçulmanos deverão realizar a peregrinação a Meca pelo menos uma vez na vida.

Lusa

  • A menina síria que relata a guerra no Twitter está bem, diz o pai

    Mundo

    Bana Alabed, a menina síria de 7 anos que conta no Twitter a luta pela sobrevivência e os horrores da guerra em Alepo, teve de abandonar a sua casa que foi bombardeada mas está bem, disse hoje o seu pai à Agência France Press. A conta esteve fechada domingo, mas foi entretanto reativada e tem hoje uma nova publicação de Bana.

  • Parkinson pode ter início nos intestinos

    Mundo

    Um novo estudo científico vem revelar que a doença de Parkinson pode não estar apenas no cérebro. A doença pode ter início nos intestinos e mais tarde migrar para o cérebro.