sicnot

Perfil

Mundo

EUA reforçam investigação sobre cérebro e doenças como Alzheimer e Parkinson

A fundação norte-americana Kavli e várias universidades dos EUA anunciaram na quinta-feira mais de cem milhões de dólares de contribuições privadas para a investigação sobre o cérebro, em particular as causas de doenças como Alzheimer e Parkinson.

© Denis Balibouse / Reuters

A maioria destes fundos vai permitir criar três institutos Kalvi de neurociência nas universidades Johns Hopkins e Rockefeller, bem como na Universidade da Califórnia em San Francisco.

Estes institutos vão fazer parte da rede internacional dos institutos Kavli, atualmente em número de vinte, dedicados, entre outras, a áreas como neurociência, astrofísica, nanociência e física teórica.

Estes novos fundos vão financiar investigações no quadro da iniciativa sobre o cérebro, designada 'Brain', lançada pelo Presidente norte-americano Barack Obama em abril de 2013, no quadro de uma parceria entre os setores público e privado, programa que ascende a 300 milhões de dólares.

Os cientistas esperam que uma compreensão aprofundada do funcionamento do cérebro abra a via a novos tratamentos de patologias cerebrais devastadoras como Alzheimer, Parkinson, esquizofrenia, autismo ou epilepsia que, segundo a Organização Mundial de Saúde, afetam mais de mil milhões de pessoas.

Lusa

  • Reportagem Especial dá a voz aos despedidos da banca
    1:18
  • CEMGFA admite que várias armas roubadas estão em condições de ser usadas
    2:06

    Assalto em Tancos

    Afinal há várias armas roubadas em Tancos que estão em condições de ser utilizadas, sendo que apenas os lança-granadas-foguete estão obsoletos. Esta manhã, o general Pina Monteiro admitiu, no Parlamento, que a declaração que fez há duas semanas pode ter induzido em erro a opinião pública. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) diz, ainda, que se houvesse indícios sobre colaboração do Exército neste caso, os suspeitos estariam presos.

  • Pais de Charlie Gard querem que o bebé morra em casa

    Mundo

    Depois de terem renunciado à batalha judicial para manterem o filho com vida, os pais do bebé britânico Charlie Gard desejam agora levar a criança para morrer em casa. O desejo foi revelado pelo advogado de Chris Gard e Connie Yates, numa audiência esta tarde, no Supremo Tribunal de Londres. Contudo, o hospital responsável pelo caso admite que os cuidados a Charlie não podem ser feitos em casa.