sicnot

Perfil

Mundo

Síria vai participar em conversações de paz na ONU

A Síria vai participar nas conversações preparatórias propostas pela ONU para o lançamento de negociações formais de paz, afirmou hoje o ministro dos Negócios Estrangeiros sírio, Walid Muallem.

© Carlo Allegri / Reuters

Muallem, que falava na Assembleia-Geral da ONU, em Nova Iorque, disse prever que as conversações, propostas pelo enviado das Nações Unidas Staffan de Mistura, são "consultas preliminares não-vinculativas".

"O papel dessas comissões é essencialmente trocar ideias e conduzirá a consultas preliminares não-vinculativas cujos resultados servirão para preparar o lançamento de Genebra 3", disse, referindo-se a uma terceira conferência de paz sobre a Síria.

As duas anteriores reuniões de Genebra saldaram-se num fracasso em 2014. No centro das divergências esteve a questão do papel do presidente sírio, Bashar al-Assad, numa transição política.

Walid Muallem frisou na sua intervenção que "a luta contra o terrorismo é uma prioridade para poder progredir noutros domínios", nomeadamente numa transição política.

"A Síria não pode aplicar medidas políticas relativas a eleições ou a uma Constituição enquanto o terrorismo continuar a atacar e a ameaçar a vida de civis inocentes", disse.

"A única maneira de chegar a uma solução política passa por um diálogo nacional entre sírios, sem ingerência estrangeira", reafirmou.

Staffan de Mistura propôs a realização de conversações entre os "principais atores" do conflito sírio em "quatro comissões de peritos", ou grupos de trabalho, cuja missão é encontrar uma base para relançar um processo de paz que permita pôr fim a quatro anos de conflito armado.

As conversações deverão incluir representantes dos Estados Unidos, Rússia, Arábia Saudita, Irão, Turquia e Egito.

O ministro sírio frisou, contudo, que não deve esperar-se muita flexibilidade de Damasco nessas conversações.

"Ninguém deve pensar que, depois dos sacrifícios feitos e da tenacidade demonstrada ao longo de mais de quatro anos, pode obter (do regime) através de meios políticos o que não conseguiu no campo de batalha", disse.

Lusa

  •  Aumenta a polémica sobre bombardeamentos russos na Síria
    1:57

    Mundo

    A polémica sobre os bombardeamentos russos na Síria está a aumentar. Civis de Homs dizem que caças bombardearam uma escola onde vivem refugiados e os Estados Unidos e a França acusam a Rússia de bombardear civis e rebeldes não-jihadistas. Por outro lado, Moscovo já veio garantir que foram atingidos alvos do Estado Islâmico.

  • Rússia bombardeia Raqqa, bastião do Estado Islâmico

    Daesh

    Aviões de combate russos bombardearam a cidade síria de Raqqa (nordeste), bastião dos jihadistas do grupo extremista Estado Islâmico (EI), e destruíram infraestruturas "utilizadas para treinar terroristas", anunciou hoje o Ministério da Defesa russo.

  • Braga perde com Shakhtar e fica fora dos 16 avos de final da Liga Europa
    3:16
  • Ronaldo não está preocupado com repercussões de eventual fuga fiscal
    1:30

    Football Leaks

    Cristiano Ronaldo diz que quem não deve não teme. O avançado português não se mostra preocupado com as notícias que revelam que o jogador não terá declarado os rendimentos da publicidade ao fisco espanhol. Fontes do Ministério das Finanças do país vizinho confirmaram ao jornal El Mundo que o português está a ser investigado há ano e meio.

  • Cerca de 150 civis doentes retirados de Alepo

    Mundo

    Cerca de 150 civis, a maioria doentes ou deficientes, foram retirados na noite de quarta-feira para quinta-feira de um centro de saúde de Aleppo, na parte mais antiga da cidade tomada pelo exército sírio, anunciou a Cruz Vermelha internacional.

  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalam-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.