sicnot

Perfil

Mundo

Os 25 anos da reunificação alemã entre crise de refugiados e escândalo Volkswagen

A Alemanha celebra hoje os 25 anos da sua reunificação, assolada pela crise dos refugiados e o escândalo dos motores manipulados da Volkswagen, que abalaram repentinamente a imagem de nação mais poderosa e bem-sucedida do espaço europeu.

© STR New / Reuters

A questão da identidade alemã voltou a colocar-se num país que esteve no centro das grandes crises que atingiram o velho continente no século XX e que culminaram na sua ocupação e divisão pelas potências vencedoras da Segunda Guerra Mundial.

Hoje, a Alemanha tornou-se num "gigante" e nas duas grandes crises europeias de 2015, Grécia e refugiados, a posição de Berlim foi, e mantém-se, determinante.

A transformação alemã foi progressiva e reforçou-se com a perda de complexos da Alemanha e com as dinâmicas da União Europeia (UE), desde a fraqueza de Bruxelas à atual paralisia francesa, para além dos problemas financeiros do sul.

E foi depois da reunificação, durante o consulado do chanceler social-democrata Gerhard Schröder (1998-2005) em aliança com os Verdes, que a Alemanha optou por um papel ativo na "guerra do Kosovo", a primeira missão militar alemã no exterior desde a Segunda Guerra Mundial.

Separadas desde 1945, as duas alemanhas legitimaram a reunificação em 3 de outubro de 1990, menos de um ano após a queda do Muro de Berlim que as dividia, na sequência de um contexto político muito próprio e um envolvimento da sociedade civil que a atual chanceler Angela Merkel, educada da extinta República Democrática Alemã (RDA), recorda com frequência.

No entanto, o atual acolhimento de centenas de milhares de refugiados em fuga das guerras no Médio Oriente, Ásia e África não pode ser comparado com o desafio que representou a absorção da ex-Alemanha comunista, em declínio económico acentuado, na então já próspera República Federal da Alemanha (RFA) -- mas agora em apuros devido ao escândalo no seu principal construtor automóvel e que pode influir na decisiva estratégia das exportações.

Para 2015, a festa anual foi programada para a cidade de Frankfurt, capital financeira do país, com Angela Merkel e o Presidente Joachin Gauck, também proveniente do leste alemão, a presidirem às cerimónias que decorrem sob o lema "Ultrapassar as Fronteiras".

O estado federado do Hesse, onde se encontra Frankfurt, programou cerca de 500 iniciativas e atividades para celebrar e recordar o Dia da Unidade Alemã (Tag der Deutschen Einheit), a festa nacional do país.

Por motivos de saúde, o ex-chanceler Helmut Kohl e os ex-presidentes soviético, Mikhail Gorbatchov e norte-americano, George H. Bush, os artífices políticos da reunificação, estarão ausentes. Mas entre os 1.500 convidados prevê-se a presença do antigo chefe da diplomacia alemã, o liberal Hans-Dietrich Genscher, do presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, e do ministro sul-coreano para a União, Hong Yong-Pyo.

Cerca de 50 ativistas dos direitos humanos e civis da extinta RDA também deverão sentar-se nas primeiras filas da Alte Oper, uma grande sala de espetáculos e o local central das celebrações.

Passados 25 anos, mantêm-se diferenças acentuadas entre as "duas alemanhas", apesar de um oneroso processo de reunificação avaliado em dois biliões de euros.

O desemprego permanece mais elevado a leste, que também registou um recuo demográfico e não alberga nenhuma das grandes empresas alemãs -- tal como nenhum clube de futebol do leste integra a Bundesliga. Para além de uma visão diferente da família e em particular da função da mulher, com um modelo acentuadamente mais conservador a ocidente. Uma recente sondagem da YouGov revelou que 71% dos alemães ocidentais e 83% a leste consideram que permanecem "grandes diferenças" entre as duas partes do país.

A Alemanha Oriental, como também ficou conhecida a ex-RDA, converteu-se no entanto num novo mercado para as empresas alemãs ocidentais e dos países do Ocidente.

Entre as muitas iniciativas programadas, é possível observar desde o início de setembro em diversos locais de Frankfurt as fotografias a preto e branco de Barbara Klemm, que trabalhou para o diário Frankfurter Allgemeine Zeitung e captou imagens únicas do período da Guerra fria, do derrube do Muro de Berlim e da unificação alemã.

Entre elas, o famoso beijo entre os líderes soviético Leonid Brejnev e alemão de leste Erich Honecker em Berlim leste, em 1979.

Outro beijo, então comum nas saudações entre os líderes do leste e também registado por fotógrafos, ocorreu dez anos depois, em 7 de outubro de 1989, quando Gorbatchov participou em Berlim-leste no 40º aniversário da fundação da RDA, ainda dirigida por Honecker. O líder soviético ter-lhe-á referido que a vida "encarrega-se de punir os que se atrasam". Seguiu-se o que ficou conhecido por "beijo da morte".

Honecker demitiu-se a 18 de outubro, e entre 9 e 10 de novembro de 1989 caía o Muro de Berlim.

Lusa

  • Explosão próximo do aeroporto de Damasco

    Mundo

    A televisão do movimento xiita libanês Hezbollah, aliado do regime sírio, noticiou hoje que a explosão ocorrida esta madrugada perto do aeroporto de Damasco "foi provavelmente" resultado de um ataque israelita contra depósitos de combustível.

    Em atualização

  • Será que lavar em lavandarias self-service compensa?
    8:21
  • Depois de dar a volta (de bicicleta de Lisboa a Setúbal)

    País

    Missão cumprida. A SIC foi dar uma volta de bicicleta, acompanhando a primeira etapa de uma iniciativa que pretende impulsionar o uso dos velocípedes no país. Ao longo desta quarta-feira, publicámos vários vídeos em direto na página de Facebook da SIC Notícias, que aqui reunimos, em jeito de balanço.

    Ricardo Rosa

  • Macron e Le Pen em troca de acusações
    2:16

    Eleições França 2017

    A campanha eleitoral para a segunda volta em França ficou esta quarta-feira marcada por uma troca de acusações entre os dois candidatos. De visita a uma fábrica em risco de encerramento, Le Pen prometeu que se for eleita salvará os 300 postos de trabalho. Emmanuel Macron acusou a candidata da extrema-direita de aproveitamento político.

  • Os filhos do divórcio
    20:50
  • Carro que atropelou adepto encontrado na casa de um amigo do suspeito
    2:18

    Desporto

    O carro que terá atropelado o adepto italiano que morreu junto ao Estádio da Luz foi encontrado esta terça-feira, numa garagem na Amadora, na casa de um amigo do suspeito. Trata-se de um homem na casa dos 30 anos que pertence à claque No Name boys e é agora procurado pela Polícia Judiciária.

  • "Esta moda bizarra de não vacinar crianças tem tido estas consequências"
    1:43

    Surto de sarampo

    Há mais um caso de sarampo registado pela Direção-Geral da Saúde, no total já são 25. Francisco George garantiu que a situação não é preocupante para as crianças em idade escolar e recomendou uma discussão parlamentar sobre a vacinação. Mais de 11 mil pessoas já assinaram uma petição pública a defender a vacinação obrigatória. 

  • Web Summit inaugura primeiro escritório fora da Irlanda em Lisboa
    1:58

    Web Summit

    A Web Summit inaugurou em Lisboa o primeiro escritório fora da Irlanda, que vai dar emprego a 20 pessoas, algumas portuguesas. O próximo objectivo é alargar eventos a outros pontos do país. A conferência internacional regressa a Lisboa entre 6 e 9 de novembro e a organização espera ter 60 mil participantes.