sicnot

Perfil

Mundo

Vaticano expulsa padre por se ter declarado homossexual

O Vaticano condenou hoje um padre polaco por ter revelado a sua homossexualidade na véspera de um grande sínodo, considerando o ato "muito sério e irresponsável" e anunciou que será despojado das suas responsabilidades na hierarquia da Igreja.

© Alessandro Bianchi / Reuters

O padre polaco Krzysztof Charamsa, oficial na Congregação para a Doutrina da Fé, não poderá prosseguir neste organismo após declarar a sua homossexualidade publicamente, revelou hoje o porta-voz do Vaticano, Federico Lombardi.

Numa entrevista publicada hoje no diário "Corriere della Sera", o jornal de maior tiragem nacional, o prelado assegura que é 'gay', que tem um companheiro e que se sente orgulhoso disso.

As declarações de Krzysztof Charamsa são "muito graves e irresponsáveis" ao terem sido produzidas a um dia do arranque do Sínodo da Família, indicou Federico Lombardi em comunicado.

"Cabe assinalar que -- apesar do respeito que merecem os acontecimentos e situações pessoais e as reflexões sobre eles -- a decisão de fazer uma tal declaração na véspera da abertura do Sínodo resulta muito graves e irresponsável", disse.

Nesse sentido, o porta-voz assinalou que tais declarações parecem visar "submeter a assembleia sinodal a uma pressão mediática injustificada".

Quanto ao seu futuro no organismo da Curia, no qual se encontra integrado desde 2003, Federico Lombardi afirmou que "certamente não poderá continuar a desempenhar as suas funções da Congregação para a Doutrina da Fé e as universidades pontifícias".

Outros aspetos da sua situação, acrescentou, serão decididos pelo bispo local.

Na entrevista que deu ao "Corriere della Sera", Krzysztof Charamsa assegurou que não se importa com as consequências da sua revelação.

"Quero que a Igreja e a minha comunidade saibam quem sou: um sacerdote homossexual, feliz e orgulhoso da minha identidade. Estou preparado para pagar as consequências, mas é altura de a igreja abrir os olhos e compreender que a solução que propõe, a abstinência total da vida do amor é inumana", defendeu.

Nas entrevistas que deu, Krzysztof Charamsa, admitiu que a sua ação tornaria insustentável a sua permanência como padre.

"Eu sei que vou ter que desistir do meu ministério, que é toda a minha vida", disse ao "Corriere della Sera".

No entanto, disse querer desafiar o que designa de "paranóia" da Igreja em relação às minorias sexuais, alegando que o clero católico foi em grande parte composto por homossexuais intensamente homofóbicos.

A sua entrevista surge um dia antes do início do Sínodo Ordinário de Bispos para a Família, que se celebrará até ao próximo dia 25 e no qual prelados de todo o mundo vão debater e rever a doutrina católica sobre a família, incluindo temas como o divórcio, os homossexuais, ou a abordagem da Igreja aos crentes 'gays' e lésbicas.

AL // EL

Lusa/Fim

NewsSubjects:- Estilo de Vida e Lazer - Sociedade - Religião - Lideres religiosos

20151003T133124

  • 60 milhões de crianças com menos de 5 anos vão morrer entre 2017 e 2030

    Mundo

    Cerca de 15 mil crianças com menos de cinco anos morreram em 2016 em todo o mundo, e 46% destas morreram nos primeiros 28 dias de vida, segundo um relatório divulgado na quarta-feira pela Unicef. Apesar de se ter registado uma descida da mortalidade nos primeiros cinco anos de vida, de 9,9 milhões de mortes em 2000 para 5,6 milhões em 2016, a proporção de recém-nascidos entre os falecidos aumentou de 41% para 46% neste período.

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15

    Opinião

    José Gomes Ferreira diz que as pessoas que ateiam fogo nas florestas sabem "estudar os dias e o vento para arder o máximo possível". Em entrevista no Jornal da Noite, o diretor-adjunto de Informação da SIC, fala na importância de haver uma auditoria para tentar perceber o porquê de haver tantas ignições e saber se há alguém que ganhe com esta vaga de incêndios. 

    José Gomes Ferreira

  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.