sicnot

Perfil

Mundo

Médicos Sem Fronteiras encerram hospital em Kunduz, Afeganistão

A organização Médicos Sem Fronteiras (MSF) anunciou este domingo que encerrou a sua atividade na cidade afegã de Kunduz, depois do alegado bombardeamento da aviação norte-americana a um seu hospital, e exigiu uma investigação independente.

O hospital dos MSF era a única instalação médica em toda a região nordeste do Afeganistão, com capacidade para lidar com grandes ferimentos de guerra e o seu encerramento, ainda que temporariamente, poderá ter um impacto devastador sobre os civis. (Arquivo)

O hospital dos MSF era a única instalação médica em toda a região nordeste do Afeganistão, com capacidade para lidar com grandes ferimentos de guerra e o seu encerramento, ainda que temporariamente, poderá ter um impacto devastador sobre os civis. (Arquivo)

© Ahmad Masood / Reuters

Segundo a MSF 22 pessoas foram mortas, algumas das quais morreram queimadas nas camas, devido ao bombardeamento, que durou mais de uma hora, mesmo depois de Estados Unidos e as autoridades afegãs terem sido informados que o hospital havia sido atingido, noticia a AFP.

O hospital dos MSF era a única instalação médica em toda a região nordeste do Afeganistão, com capacidade para lidar com grandes ferimentos de guerra e o seu encerramento, ainda que temporariamente, poderá ter um impacto devastador sobre os civis.

"O hospital dos MSF deixou de funcionar. Todos os pacientes críticos foram encaminhados para outros centros de saúde. Ninguém dos MSF está a trabalhar no hospital", disse à AFP, Kate Stegeman, porta-voz da organização internacional.

Stegeman disse que não estava em condições de confirmar se o centro de traumatologia seria reaberto.

Os MSF condenam os "odiosos" atentados, que foram uma resposta da força da NATO, lideradas pelos Estados Unidos no Afeganistão.

"Presumindo que foi cometido um crime de guerra, os MSF pedem que uma investigação completa e transparente sobre o sucedido, a ser efetuada por um organismo internacional independente", disse o diretor-geral dos MSF Christopher Stokes.

Lusa

  • Dezanove mortos em ataque a hospital no Afeganistão
    1:52

    Mundo

    A Comissão Europeia já condenou o ataque aéreo norte-americano que atingiu o hospital dos Médicos sem Fronteiras, em Kunduz, no Afeganistão. O comandante que lidera as forças americanas pediu entretanto desculpas ao presidente afegão. O bombardeamento matou 12 membros dos Médicos Sem Fronteiras e sete doentes, três dos quais são crianças.

  • A casa dos horrores
    7:57

    Mundo

    Um casal foi detido na Califórnia acusado de tortura e escravidão dos 13 filhos: o mais velho tinha 29 anos e a mais nova dois. A polícia encontrou um cenário de horror quando entrou na casa da família, depois de uma das filhas ter fugido pela janela. Crianças e jovens estavam amarrados às camas e todos estavam mal alimentados. Mas nas redes sociais, o casal Turpin divulgava imagens de uma família feliz.

  • PGR e presidente do Supremo deixam recado à ministra da Justiça
    2:45
  • Rui Rio tem sentido "alguma turbulência" no PSD
    2:01

    País

    Rui Rio e Pedro Passos Coelho tiveram esta quinta-feira a primeira reunião, desde que foi eleito o novo líder do PSD. À saída, Passos Coelho desejou que esta transição decorra com naturalidade. Já Rui Rio disse que tem sentido alguma turbulência no partido.

  • Sindicatos rejeitam fim das baixas médicas até três dias
    2:02

    País

    A CGTP quer levar o tema das baixas médicas à Concertação Social, já a UGT diz que há outras matérias prioritárias. Ainda assim as duas centrais sindicais lembram que a não justificação de faltas pode dar origem a um despedimento por justa causa. Esta quinta-feira o bastonário da Ordem dos Médicos propôs ao Governo que acabe com as baixas de curta duração, até três dias.

  • Papa interrompe percurso no Chile para ajudar polícia
    0:21
  • "Mundo à Vista" no Gana
    7:38