sicnot

Perfil

Mundo

Médicos Sem Fronteiras encerram hospital em Kunduz, Afeganistão

A organização Médicos Sem Fronteiras (MSF) anunciou este domingo que encerrou a sua atividade na cidade afegã de Kunduz, depois do alegado bombardeamento da aviação norte-americana a um seu hospital, e exigiu uma investigação independente.

O hospital dos MSF era a única instalação médica em toda a região nordeste do Afeganistão, com capacidade para lidar com grandes ferimentos de guerra e o seu encerramento, ainda que temporariamente, poderá ter um impacto devastador sobre os civis. (Arquivo)

O hospital dos MSF era a única instalação médica em toda a região nordeste do Afeganistão, com capacidade para lidar com grandes ferimentos de guerra e o seu encerramento, ainda que temporariamente, poderá ter um impacto devastador sobre os civis. (Arquivo)

© Ahmad Masood / Reuters

Segundo a MSF 22 pessoas foram mortas, algumas das quais morreram queimadas nas camas, devido ao bombardeamento, que durou mais de uma hora, mesmo depois de Estados Unidos e as autoridades afegãs terem sido informados que o hospital havia sido atingido, noticia a AFP.

O hospital dos MSF era a única instalação médica em toda a região nordeste do Afeganistão, com capacidade para lidar com grandes ferimentos de guerra e o seu encerramento, ainda que temporariamente, poderá ter um impacto devastador sobre os civis.

"O hospital dos MSF deixou de funcionar. Todos os pacientes críticos foram encaminhados para outros centros de saúde. Ninguém dos MSF está a trabalhar no hospital", disse à AFP, Kate Stegeman, porta-voz da organização internacional.

Stegeman disse que não estava em condições de confirmar se o centro de traumatologia seria reaberto.

Os MSF condenam os "odiosos" atentados, que foram uma resposta da força da NATO, lideradas pelos Estados Unidos no Afeganistão.

"Presumindo que foi cometido um crime de guerra, os MSF pedem que uma investigação completa e transparente sobre o sucedido, a ser efetuada por um organismo internacional independente", disse o diretor-geral dos MSF Christopher Stokes.

Lusa

  • Dezanove mortos em ataque a hospital no Afeganistão
    1:52

    Mundo

    A Comissão Europeia já condenou o ataque aéreo norte-americano que atingiu o hospital dos Médicos sem Fronteiras, em Kunduz, no Afeganistão. O comandante que lidera as forças americanas pediu entretanto desculpas ao presidente afegão. O bombardeamento matou 12 membros dos Médicos Sem Fronteiras e sete doentes, três dos quais são crianças.

  • SIC faz-se à estrada para ouvir eleitores
    2:13
  • Furacão Maria ameaça Ilhas Virgens e Porto Rico

    Mundo

    O furacão Maria "potencialmente catastrófico" está a ameaçar as Ilhas Virgens e o Porto Rico, depois de esta terça-feira ter semeado a destruição na Dominica e provocado um morto e dois desaparecidos na ilha francesa de Guadalupe.

  • Pistolas Nerf podem causar graves lesões nos olhos

    Mundo

    As balas das pistolas Nerf, quando atingem os olhos, podem causar graves lesões. O aviso é de um grupo de médicos de Londres, que recomenda a utilização de óculos protetores e o aumento da idade mínima para a utilização dos brinquedos.

    SIC

  • Investigadores descobrem como transformar gordura "má" em gordura "boa"

    Mundo

    Uma equipa de investigadores da Universidade de Washington, Estados Unidos, descobriu como converter a gordura corporal "má" em gordura "boa", permitindo queimar mais calorias e atrasar o aumento de peso, num estudo conduzido em ratos. Estes resultados abrem caminho para a possibilidade de desenvolver tratamentos mais eficazes para a obesidade e para a diabetes associada ao aumento de peso em pessoas, segundo os autores.

  • Escola na Croácia usa imagem de Melania Trump para chamar alunos

    Mundo

    "Imagine até onde pode ir com um pouco de inglês", foi com estas palavras que uma escola de inglês da Croácia decidiu promover as suas aulas, juntando ainda a fotografia de Melania Trump ao placard do anúncio. Agora, a primeira-dama norte-americana ameaça levar o Instituo Americki a tribunal. Entretanto, o placard já foi retirado do local.

    SIC