sicnot

Perfil

Mundo

Obama apresenta condolências pelo bombardeamento de hospital de Kunduz

Barack Obama apresentou as suas "profundas condolências" sobre o bombardeamento do hospital dos Médicos Sem Fronteiras em Kunduz, norte do Afeganistão, que causou 19 mortos e está em investigação sobre a possibilidade de ter sido um raide norte-americano.

MSF HANDOUT

"Em nome do povo norte-americano, apresento as minhas mais profundas condolências ao pessoal médico e aos outros civis mortos e feridos no trágico incidente do hospital dos Médicos Sem Fronteiras em Kunduz", afirmou no sábado Barack Obama, em comunicado difundido pela Casa Branca.

"O Departamento da Defesa lançou uma investigação completa, e esperamos os resultados do inquérito antes de fazermos uma avaliação definitiva sobre as circunstâncias desta tragédia", acrescentou o chefe de Estado norte-americano.

O secretário da Defesa dos EUA, Ashton Carter, anunciou no sábado que está em marcha uma "investigação completa" ao ataque ao hospital de Kunduz, norte do Afeganistão, gerido pela organização Médicos Sem Fronteiras.

O governo afegão afirmou que o bombardeamento foi feito por forças dos Estados Unidos e responsabilizou os talibãs, dizendo que elementos do grupo insurgente se esconderam no hospital durante confrontos com as tropas afegãs.

O porta-voz das forças norte-americanas no Afeganistão admitiu que um bombardeamento dos Estados Unidos em Kunduz pode "ter produzido danos colaterais a uma instalação médica próxima" e que foi aberta uma investigação.

Os talibãs tomaram na segunda-feira Kunduz, na que foi considerada a mais importante vitória dos insurgentes desde que foram afastados do poder em 2001.

As tropas afegãs anunciaram a recuperação do controlo da cidade na quinta-feira, depois de um contra-ataque apoiado por forças norte-americanas, mas os confrontos continuam, com os dois lados a controlarem diferentes bairros de Kunduz.

Lusa

  • Dezanove mortos em ataque a hospital no Afeganistão
    1:52

    Mundo

    A Comissão Europeia já condenou o ataque aéreo norte-americano que atingiu o hospital dos Médicos sem Fronteiras, em Kunduz, no Afeganistão. O comandante que lidera as forças americanas pediu entretanto desculpas ao presidente afegão. O bombardeamento matou 12 membros dos Médicos Sem Fronteiras e sete doentes, três dos quais são crianças.

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.