sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 40 mortos e 83 feridos em três atentados no Iraque

Pelo menos 40 mortos e 83 feridos resultaram de três atentados à bomba, ocorridos esta segunda-feira em locais distintos do Iraque.

De acordo com uma fonte de segurança, além das mortes e ferimentos, a explosão do engenho, perto de um mercado popular, causou danos materiais severos nos estabelecimentos comerciais circundantes, bem como nos demais veículos estacionados no local. (Arquivo)

De acordo com uma fonte de segurança, além das mortes e ferimentos, a explosão do engenho, perto de um mercado popular, causou danos materiais severos nos estabelecimentos comerciais circundantes, bem como nos demais veículos estacionados no local. (Arquivo)

© STRINGER Iraq / Reuters

O rebentamento de um automóvel armadilhado junto a uma estação de miniautocarros na cidade iraquiana de Al Jales, 20 quilómetros a norte de Baquba, capital da província oriental de Diyala, resultou em pelo menos 35 mortos e 40 feridos.

De acordo com uma fonte de segurança, além das mortes e ferimentos, a explosão do engenho, perto de um mercado popular, causou danos materiais severos nos estabelecimentos comerciais circundantes, bem como nos demais veículos estacionados no local.

Também em Al Zubair, na província meridional de Basora, um segundo carro-bomba explodiu, causando três mortos e 35 feridos, e no bairro de Al Huseiniya, na zona este de Bagdade, o rebentamento de uma terceira viatura armadilhada fez duas vítimas mortais e oito feridos.

No total, 717 iraquianos morreram em setembro devido a atos de violência no país, sendo, ainda assim, quase metade das 1.325 vítimas mortais contabilizadas em agosto, de acordo com os números da Missão da ONU no Iraque (UNAMI).

Além dos ataques terroristas em diferentes cidades, o Iraque também lida, desde junho de 2014, com uma sangrenta guerra contra os 'jihadistas' do Estado Islâmico, grupo que proclamou um califado nas zonas do Iraque e da Síria que estão sob o seu controlo.

Lusa

  • O fim do julgamento do caso BPN, seis anos depois
    2:26

    País

    O antigo presidente do BPN José Oliveira Costa tentou adiar o fim do julgamento principal do caso com um recurso para o Tribunal Constitucional. Apesar disso, a leitura do acórdão continua marcada para esta quarta-feira, quase seis anos e meio depois de os 15 arguidos se terem sentado pela primeira vez no banco dos réus.

  • José Oliveira Costa, o rosto do buraco financeiro do BPN
    3:04

    País

    José Oliveira Costa foi o homem forte do BPN durante 10 anos e tornou-se o rosto do gigantesco buraco financeiro. Manteve-se em silêncio durante todo o julgamento, mas falou aos deputados da comissão de inquérito, para negar qualquer envolvimento no escândalo que fez ruir o BPN.

  • Saída do Procedimento por Défice Excessivo marca debate no Parlamento
    1:40
  • Filhos tentam anular casamento de pai de 101 anos

    País

    O casamento de um homem de 101 anos com uma mulher com metade da idade, em Bragança, está a ser contestado judicialmente pelos filhos do idoso, que acusam aquela que era empregada da família de querer ser herdeira.