sicnot

Perfil

Mundo

Ban Ki-moon "chocado" com acusações a John Ashe por envolvimento em corrupção

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, afirmou-se hoje "chocado e profundamente perturbado" com as acusações de corrupção que pesam sobre John Ashe, um ex-presidente da Assembleia-geral das Nações Unidas.

© Mike Segar / Reuters

John Ashe é perseguido pelas autoridades norte-americanas por aceitar mais de um milhão de dólares em subornos para ajudar na realização de empreendimentos imobiliários, revelam documentos hoje divulgados.

As autoridades federais norte-americanas descobriram um sistema que beneficiaria vários empresários de origem chinesa, ainda que nenhum deles pareça ter beneficiado em concreto do esquema, e acusam John Ashe de, entre 2011 e 2014, ter aceitado mais de 1,3 milhões de dólares de um grupo de cinco pessoas, segundo queixa do promotor federal de Manhattan, Preet Bharara.

As acusações vão "ao coração da integridade das Nações Unidas", segundo o porta-voz da ONU, Stephane Dujarric, que disse ter sabido do caso hoje pela comunicação social e assegurou não ter sido contactado pelo escritório do promotor.

Quatro dos seis implicados neste caso deviam ser ainda hoje presentes a um juiz federal, estando os restantes dois já detidos.

Ashe, de 61 anos, embaixador de Antígua e Barbuda junto das Nações Unidas, e presidente da 68.ª sessão da Assembleia-geral da ONU entre setembro de 2013 e setembro 2014, foi substituído como embaixador em novembro de 2014, após ocupar o cargo por dez anos.

O grupo contou com John Ashe para facilitar a realização do projeto de um centro de conferências patrocinado pela ONU em Macau, orçamentado em milhares de milhões de dólares, bem como projetos imobiliários em Antigua e Barbuda.

Segundo a denúncia, Ashe recebeu várias centenas de milhares de dólares em contas bancárias e diversos benefícios em espécie, incluindo a construção de um campo de basquete na sua propriedade.

Em troca desses benefícios, apresentou ao secretário-geral da ONU um documento com a necessidade de criar um centro de conferências em Macau, projeto que nunca chegou a ser concretizado.

Destinou ainda parte do dinheiro a Baldwin Spencer, então primeiro-ministro de Antígua e Barbuda, para contribuir para o avanço de empreendimentos imobiliários no arquipélago.

Para Preet Bharara, o promotor federal de Manhattan, Ashe "vendeu-se e à organização da qual ele era responsável", mediante projetos que visam tornar as Nações Unidas numa "plataforma de lucro".

No caso de Ashe, uma parte do dinheiro foi canalizado através de uma organização não-governamental falsa, na qual o vice-representante da República Dominicana junto das Nações Unidas, Francis Lorenzo, foi presidente honorário, auferindo de um salário mensal de 20 mil dólares.

Além de John Ashe e Francis Lorenzo, as outras quatro pessoas envolvidas nesta caso de corrupção são ativa são dois homens de negócios de origem chinesa, a presidente da falsa ONG e a sua diretora financeira.

O principal acusado é um sexagenário de Macau, Ng Lap Seng, que fez fortuna no setor imobiliário e que terá relações políticas e mafiosas na China, tendo sido detido a 19 de setembro nos EUA, na companhia do seu assessor, Jeff C. Yin, sob a acusação de fazer entrar fraudulentamente nos Estados Unidos mais de 4,5 milhões de dólares em dinheiro ao longo de dois anos.

Estes dois detidos foram acusados de mentir às autoridades aduaneiras norte-americanas em relação à finalidade de mais de 4,5 milhões de dólares que levaram para os Estados Unidos desde 2013.

Segundo as conclusões do inquérito da política federal, Ng Lap Seng e o seu colaborador fizeram 11 viagens para os EUA, entre julho de 2013 e setembro de 2015, transportando de cada vez entre 200 mil e 900 mil dólares.

Por exemplo, num dia de julho de 2014, o promotor imobiliário desembarcou em Nova Iorque com uma mala com 400 mil dólares em dinheiro, dizendo aos serviços alfandegários que tencionava utilizar a verba na compra de quadros e em jogo no casino, mas os investigadores do FBI estão convencidos de que Ng Lap Seng mentiu e que a soma tinha outro destino, pois o montante viria a ser transportado numa mala para um encontro com um empresário não identificado no bairro de Queens, em Nova Iorque.

Ng Lap Seng é presidente do grupo Sun Kian Ip, uma corporação privada com sede em Macau que conta com uma fundação em Nova Iorque, e tem uma grande influência política, tanto em Macau, como junto do Governo de Pequim.

Através da fundação e a título pessoal, Ng Lap Seng trabalhou em várias ocasiões com o escritório da ONU para a Cooperação Sul-Sul, dedicado à promoção de acordos económicos e políticos em países em desenvolvimento.

Nos documentos apresentados pela justiça norte-americana contra Ng e Yin, são mencionados 19 milhões de dólares que, até 2010, foram transferidos para os Estados Unidos com destino a particulares ou a entidades.

Lusa

  • A fábrica de caças na base aérea de Monte Real
    3:35
  • Comprar ou arrendar casa?
    8:25
  • Fui contactado por um espectador do “Contas-Poupança” (quartas-feiras, Jornal da Noite, SIC) e leitor do blogue www.contaspoupanca.pt, que foi surpreendido com uma carta do banco a aumentar o spread porque um dos serviços que tinha subscrito tinha sido extinguido. Neste caso específico, a domiciliação de ordenado. Ora, o cliente ficou estupefacto porque não mudou de empresa, não foi despedido nem tinha havido nenhuma alteração no recebimento do ordenado naquela conta.

    Pedro Andersson

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Temer acusado de prejudicar Polícia Federal
    2:36
  • Violência volta às favelas do Rio de Janeiro
    3:21

    Mundo

    As favelas do Rio de Janeiro voltaram aos níveis de violência dos anos 90. A cidade de Deus foi uma das favelas pacificadas que voltou a registar tiroteios diariamente, os moradores falam de situações de trauma e do medo das crianças.

  • Trump interrompe telefonema para elogiar jornalista

    Mundo

    A jornalista irlandesa Caitriona Perry viu-se esta terça-feira envolvida num momento que a própria classificou de "bizarro": um encontro inesperado com Donald Trump, que interrompeu um telefonema com o primeiro-ministro irlandês para... a elogiar.

    SIC

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.

  • Cão corre os EUA a entregar águas aos árbitros em jogos de basebol
    0:20