sicnot

Perfil

Mundo

Desmantelada rede internacional de distribuição de sinal de televisão por satélite

A Policia Judiciária (PJ) e as autoridades brasileiras desmantelaram uma organização criminosa internacional que se dedicava à distribuição ilegítima de sinal de televisão por satélite, cujo ´modus operandi´ se designa por "cardsharing", foi esta terça-feira divulgado.

Todo o material informático que servia de base à atividade ilícita (servidores, caixas de receção e outros ativos de rede) foi apreendido nas várias diligências realizadas. (Arquivo)

Todo o material informático que servia de base à atividade ilícita (servidores, caixas de receção e outros ativos de rede) foi apreendido nas várias diligências realizadas. (Arquivo)

© Jonathan Alcorn / Reuters

Segundo adianta a Polícia Judiciária portuguesa, a operação desenrolou-se simultaneamente com uma ação das autoridades brasileiras naquele país, as quais procederam à detenção de vários suspeitos pela prática deste crime, sendo que um deles possui nacionalidade portuguesa.

Em Portugal, foi constituída como arguida uma pessoa ligada à gestão da rede de distribuição em causa, a qual servia mais de 10 mil clientes, entre Portugal, Brasil e outros países da Europa.

Todo o material informático que servia de base à atividade ilícita (servidores, caixas de receção e outros ativos de rede) foi apreendido nas várias diligências realizadas.

A Polícia Judiciária, através da Diretoria de Lisboa e Vale do Tejo, lembra que este tipo de atividade, para além de ilícita, atinge a economia nacional e prejudica a exploração e sustentação financeira do negócio nesta área específica de mercado.

Segundo a polícia, a investigação prossegue para apurar toda a natureza e extensão da atividade criminosa.

Lusa

  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".