sicnot

Perfil

Mundo

ONU pede ao Irão que use influência para parar guerra na Síria

O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, apelou esta segunda-feira ao Irão para que use a sua influência na Síria para promover uma solução política para o conflito.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Handout . / Reuters

O líder da ONU transmitiu isto mesmo ao ministro iraniano Yavad Zarif num reunião realizada na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque, disse um porta-voz da organização.

Ban Ki-moon reiterou que não haverá uma solução militar para a guerra na Síria e pediu ao Governo de Teerão para usar a sua "influência" a favor de uma solução negociada.

O Irão, junto com a Rússia, é um dos principais apoiantes do regime sírio de Bashar al-Assad, que os Estados Unidos e seus aliados querem que saia e abra a porta para uma transição com elementos do governo e da oposição.

Além da Síria, Ban Ki-moon e Zarif falaram do conflito no Iémen e dos esforços da ONU para reavivar o diálogo entre as partes, bem como a necessidade de resolver o vazio presidencial no Líbano.

Em relação ao dossier nuclear iraniano, o diplomata sul-coreano exortou todas as partes a aplicar "de boa fé" o acordo selado entre Teerão e as potências do grupo 5+1 (Estados Unidos, Rússia, China, França, Reino Unido e Alemanha).

Lusa

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.