sicnot

Perfil

Mundo

Pentágono considera "erro trágico" o ataque à bomba a hospital afegão

O Pentágono expressou hoje profundo pesar pelas 22 mortes registadas na sequência do "erro trágico" que foi o ataque aéreo a um hospital em Kunduz, no Afeganistão, gerido pelos Médicos Sem Fronteiras.

MSF HANDOUT

As declarações foram feitas quando o general John Campbell, principal comandante norte-americano no Afeganistão, exortou Washington a considerar aumentar sua presença militar pós-2016, para repelir um recrudescimento dos talibãs e estabilizar uma "situação de segurança frágil" na nação devastada pela guerra.

Três investigações estão em andamento para determinar o que aconteceu na madrugada de sábado em Kunduz, quando bombas foram lançadas sobre o hospital gerido pela organização Médicos Sem Fronteiras, matando 22 pessoas.

"Os Médicos Sem Fronteiras têm um importante trabalho em todo o mundo, e o Departamento de Defesa lamenta profundamente a perda de vidas inocentes que resultou deste trágico acontecimento", disse, entretanto, o secretário de Defesa Ashton Carter num comunicado divulgado enquanto visitava Roma como parte de uma viagem pela Europa.

Segundo Carter, "quando cometemos erros, assumimo-los. E é exatamente o que estamos a fazer".

John Campbell, chefe da missão da NATO naquele país, reconhecera que o hospital fora atingido no âmbito de um ataque de forças norte-americanas "pedido" pelos afegãos mas decidido pela "cadeia de comando norte-americana".

O incidente com o hospital de Kunduz ocorreu dias depois de a cidade ter sido tomada pelos talibãs, na que foi considerada a mais importante vitória dos insurgentes desde que foram afastados do poder em 2001.

O exército afegão recuperou a cidade dias mais tarde, mas os confrontos prosseguiram entre as duas partes, que controlam diferentes bairros na cidade.

Lusa

  • 950 militares cercam a Rocinha, no Rio de Janeiro
    2:36
  • Terra volta a termer no México

    Mundo

    Um sismo de magnitude 6,2, na escala de Richter, foi registado às 05h30, hora local, 23h30, em Lisboa. Até ao momento não há registo de vítimas ou danos materiais.

  • Franceses em protesto contra reformas de Macron
    1:04

    Mundo

    O Presidente francês volta hoje a ser alvo de manifestações contra a reforma laboral. Os protestos foram organizados por Jean Luc Melenchon, o candidato da extrema-esquerda que concorreu contra Macron.

  • Tony Carreira em Paris com sala cheia
    2:36

    Cultura

    O cantor Tony Carreira actuou ontem em Paris e teve sala cheia a aplaudir os temas que o tornaram conhecido há quase 30 anos. As recentes acusações de plágio não parecem afectar a popularidade do artista, que vai continuar em tournée. A Sic acompanhou o artista neste concerto.