sicnot

Perfil

Mundo

Primeiro-ministro do Iémen escapa a atentado do grupo Estado Islâmico em Aden

O primeiro-ministro iemenita saiu hoje ileso em Aden dos primeiros ataques reivindicados pelo grupo Estado Islâmico (EI) no sul do Iémen, que vitimou diversos soldados da coligação árabe.

Hassan Ammar

Khaled Bahah escapou a um espetacular ataque contra o hotel que serve de sede ao seu governo, mas 15 soldados da coligação árabes e membros das forças lealistas iemenitas foram mortos quando foram visadas duas instalações militares das forças sauditas e dos Emirados.

Ao reivindicar o atentado pela internet, o EI referiu-se a "quatro atentados suicidas" contra três alvos, contrariando a versão fornecida previamente por responsáveis iemenitas e pela coligação árabe dirigida pelos sauditas, que se referiram a ataques com 'rockets' contra essas instalações.

Segundo o grupo 'jihadista', dois bombistas suicidas visaram o hotel Qasr e dois outros atacaram separadamente, ao volante de veículos blindados roubados, o quartel-general das forças sauditas e dos Emirados e o edifício "da administração militar dos Emirados" na segunda cidade do país.

O EI afirmou ter morto "dezenas" de militares sauditas e dos Emirados, os dois principais pilares da coligação árabe-sunita que intervém desde março no país vizinho para impedir dos rebeldes xiitas 'huthis', e aliados, de assumirem o controlo total do Iémen.

Para confirmar a sua reivindicação, o grupo 'jihadista' colocou em linha os quatro combatentes apresentados como os autores dos atentados e uma imagem de um hotel em chamas.

Até ao momento, o EI tinha perpetrado ataques sangrentos no norte do Iémen, incluindo na capital Sanaa, dirigidos sobretudo contra os xiitas -- em particular os 'huthis' e seus simpatizantes -- que define como "hereges".

O grupo ultrarradical sunita não tinha ainda reivindicado ataques no sul do país, onde opera a Al-Qaida, nem contra as forças da coligação árabe dirigida por Riade.

O norte do país permanece sob controlo dos rebeldes 'houthi' e das forças iemenitas fiéis ao antigo presidente, mas os combates estão a generalizar-se noutras regiões.

Segundo a ONU, o conflito no Iémen já provocou 5.000 mortos e 25.000 feridos, incluindo numerosos civis, e originou uma grave crise humanitária.

Atualmente calcula-se que 1,3 milhões de pessoas estão deslocadas em todo o país, o mais pobre da península arábica, enquanto 114.000 civis iemenitas já se refugiaram desde março no Djibuti, Etiópia, Somália, Sudão, Arábia Saudita e Omã.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.