sicnot

Perfil

Mundo

Presos amotinaram-se em prisão no Paraná, Brasil

Os reclusos de uma prisão na cidade brasileira de Londrina, no Estado do Paraná, amotinaram-se na terça-feira e fizeram reféns entre a população prisional, informaram fontes oficiais.

Um grupo de amotinados subiu ao telhado de um edifício do complexo prisional, a Penitenciária Estatal de Londrina II, e ameaçou lançar dois reféns que tinham em seu poder, atados e amordaçados, como se viu em imagens televisivas.

Todos os agentes penitenciários conseguiram sair da prisão, adiantaram porta-vozes policiais, citados pela imprensa local, mas não há informação sobre possíveis vítimas.

Durante o protesto, os presos partiram vidros e telhas e incendiaram colchões e mobiliário da prisão, o que causou grandes colunas de fumo.

O Governo do Paraná, a Polícia Militarizada e representantes do poder judicial iniciaram negociações com os presos cerca de sete horas depois do início do motim, que começou cerca das 10:30 horas locais (14:30 de Lisboa).

Os presos protestam contra as condições da prisão, que tem capacidade para 900 reclusos, mas acolhe cerca de 1.200.

O saneamento, a insalubridade e os motins são problemas frequentes nas penitenciárias do Brasil, país que tem a quarta maior população prisional do mundo.

As 1.424 prisões do Brasil têm capacidade para 376.669 pessoas, mas albergam 607.730, segundo um relatório divulgado em junho passado pelo Ministério da Justiça.

O próprio ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, já qualificou as condições das prisões brasileiras como "medievais".

Lusa

  • Cinco anos depois do incêndio na Serra do Caldeirão
    5:24
  • Destaques económicos que marcaram a semana
    2:03

    Economia

    A semana ficou marcada pela tragédia provocada pelos incêndios no centro do país. No entanto importa olhar para o que se passou noutras áreas e fazer um resumo das notícias relacionadas com a economia. 

  • Quer conhecer os cães mais feios do mundo?
    1:15

    Mundo

    Na Califórnia, nos Estados Unidos, já foi eleito o cão mais feio do mundo de 2017, num concurso que se repete há 29 anos. Com 57 quilos, Martha recebeu a distinção enquanto ressonava no palco.