sicnot

Perfil

Mundo

Dois terços dos alemães dizem que Angela Merkel não deve receber o Nobel da Paz

Quase dois terços de alemães julgam que a chanceler Angela Merkel, citada entre os favoritos para o Prémio Nobel da Paz, não deve receber este galardão, segundo uma sondagem publicada hoje no jornal Handelsblatt.

© Hannibal Hanschke / Reuters


Uma larga maioria (61%) julga que Angela Merkel não é uma "candidata apropriada" para receber este prémio, que será anunciado na sexta-feira, em Oslo, enquanto 34% tem opinião contrária, segundo a sondagem feita pelo instituto Forsa, realizada com uma amostra de cerca de mil pessoas.

Angela Merkel está a ser citada entre os favoritos para o Prémio Nobel da Paz pela sua mediação no conflito na Ucrânia e por ter aberto as portas de seu país aos migrantes, num momento em que a Europa está a ser confrontada com uma crise migratória excecional.

Mas este seu posicionamento levou a uma queda na sua popularidade na Alemanha, mesmo no seu próprio campo político, depois de 577.000 pedidos de asilo terem sido requeridos desde o início do ano e espera-se que cheguem a 800 mil ou um milhão até ao final de 2015.

"O facto de Merkel está a receber pouco apoio (dos alemães para o Prémio Nobel) deve ser explicado pela razão de muitos cidadãos e muitas pessoas (do seu partido) ver de forma crítica a sua posição sobre os refugiados", indicou ainda o jornal alemão.

Lusa

  • Brinquedos tecnológicos para oferecer no Natal
    5:33
  • Aniversário de Marcelo passado nas comemorações dos 700 anos da Marinha
    1:45

    País

    O Presidente da República defende que é preciso continuar a investir na Armada, nas pessoas, nas capacidades e no apoio de retaguarda. No dia em que fez 69 anos, Marcelo Rebelo de Sousa esteve nas comemorações dos 700 da Marinha, onde sublinhou os sete séculos de conquistas e de combates navais.

  • Costa anuncia reunião sobre neutralidade carbónica em fevereiro
    2:03

    País

    O Presidente francês defende que é preciso ir mais longe e mais rápido na luta contra as alteração climáticas, numa resposta à decisão de Donald Trump de retirar os EUA do Acordo de Paris. Em fevereiro, será a vez de Portugal organizar uma reunião sobre energia e transportes.