sicnot

Perfil

Mundo

Indonésia aceita ajuda internacional para combater incêndios

A Indonésia aceitou ajuda internacional para combater os incêndios florestais e agrícolas que geraram uma nuvem de fumo que há semanas envolve os países vizinhos.

© Antara Photo Agency / Reuters


Os incêndios ilegais, usados para limpar terrenos para plantações na Indonésia, afetaram as vizinhas Malásia e Singapura, atingidas por uma nuvem de fumo, que fez diminuir a qualidade do ar e obrigou ao encerramento de escolas e a cancelar eventos no exterior.

Jacarta destacou cerca de 25 mil efetivos e aviões para combater as chamas na ilha de Sumatra e na parte indonésia do Bornéu, mas os bombeiros encontraram dificuldades em controlar os fogos.

Inicialmente, as autoridades indonésias rejeitaram ajuda de Singapura -- com a tensão entre os países a escalar --, mas fontes oficiais disseram hoje que o Presidente Joko Widodo anunciou que aceitaria assistência internacional.

"Acordámos que vamos cooperar com vários parceiros nos nossos esforços para combater os incêndios", disse à AFP o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Indonésia, Arrmanatha Nasir.

"Estamos a trabalhar com vários países, incluindo Singapura", acrescentou.

Países como a Malásia, Rússia, Austrália e China vão também prestar assistência.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.