sicnot

Perfil

Mundo

Líder da oposição moçambicana reaparece após 2 semanas em parte incerta

O líder da Renamo, Afonso Dhlakama, reapareceu hoje na Gorongosa, centro de Moçambique, após ter desaparecido há quase duas semanas, durante confrontos entre os homens armados da oposição e as forças de defesa e segurança.

Reuters/Arquivo

Reuters/Arquivo

© Stringer . / Reuters

Eram 15:15 (14:15 em Portugal) quando Afonso Dhlakama saiu das matas da Gorongosa, na zona de Macucuá, e se apresentou aos jornalistas e observadores convidados pela Renamo (Resistência Nacional Moçambicana) para assistir ao reaparecimento público do líder da oposição.

"Mando uma mensagem para o povo. Contem comigo, não iremos desistir por temer a morte. Não tenho medo de morrer, para mim, já morri", afirmou Dhlakama, visivelmente cansado, numa breve declaração aos jornalistas, acrescentando que a Renamo vai continuar a trabalhar e afastando qualquer vontade de vingança.

Afonso Dhlakama referiu que, após o incidente do dia 25 de setembro em Gondola, província de Manica, percorreu dezenas de quilómetros a pé pelo planalto e atravessou o rio Púnguè até à região da Gorongosa, província de Sofala.

A operação de retirada de Afonso Dhlakama das matas foi antecedida por conversações, na vila da Gorongosa, entre dirigentes e militares da Renamo e a polícia moçambicana.

É esperada hoje uma conferência de imprensa do líder da Renamo, a realizar na cidade da Beira.

Além dos jornalistas e dirigentes da Renamo, a operação de retirada de Dhlakama da chamada parte incerta foi testemunhada por organizações da sociedade civil, como a presidente da Liga dos Direitos Humanos, Alice Mabota, e por vários mediadores no diálogo de longo-prazo entre oposição e Governo, como o académico Lourenço do Rosário e os líderes religiosos Dinis Sengulane, Anastácio Chembenze e Saide Abibo.

Afonso Dhlakama não era visto em público desde as suas declarações à Lusa, no dia 25 de setembro, após um incidente com a sua comitiva na estrada N6, no distrito de Gondola, província de Manica.

Segundo o líder da oposição, a sua comitiva foi atacada pelas forças de defesa e segurança, no segundo incidente com a sua caravana em menos de duas semanas.

A polícia sustentou por seu lado que a comitiva de Dhlakama atirou sobre um "chapa" (carrinha de transporte público), matando o motorista, e que os guardas da Renamo foram tomados pelo pânico e começaram a disparar uns contras os outros.

Ainda na versão da polícia, os agentes foram deslocados para o local com o objetivo de repor a ordem pública, seguindo-se um intenso tiroteio que matou mais de vinte homens da oposição.

De acordo com a Renamo, desse incidente resultaram apenas sete baixas entre os seus homens e Afonso Dhlakama saiu a pé pelo mato para um lugar desconhecido.

A 02 de outubro, registou-se uma nova troca de tiros no interior do distrito de Gondola, com as duas partes a responsabilizarem-se mutuamente pelo começo dos disparos.

Foi o terceiro incidente grave em três semanas envolvendo a Renamo, depois de, a 12 de setembro, a comitiva de Dhlakama ter sido emboscada também na província de Manica, num ataque testemunhado por jornalistas e que permanece por esclarecer.

A polícia moçambicana anunciou entretanto um processo-crime por homicídio contra Dhlakama e restante comitiva, acusados da morte do motorista do "chapa" no dia 25 de setembro em Gondola.

O líder da oposição saiu hoje da mesma região onde permaneceu escondido durante quase dois anos, na última crise com o Governo e que só terminou com um acordo de paz, assinado a 05 de setembro de 2014 em Maputo, com o ex-Presidente Armando Guebuza, após 17 meses de confrontações militares na região centro, que deixarem um número desconhecido de mortos e milhares de deslocados.

Moçambique vive novos momentos de incerteza política, provocada pela recusa da Renamo em reconhecer os resultados das eleições gerais de 15 de outubro do ano passado e sua proposta de governar nas seis províncias onde reclama vitória, sob ameaça de tomar o poder pela força.

Lusa

  • Cardeal George Pell acusado de abuso sexual de menores na Austrália

    Mundo

    O cardeal George Pell, que dirige a Secretaria da Economia do Vaticano, foi hoje acusado de crimes de abuso sexual de menores na Austrália e intimado a comparecer em tribunal dentro de dias, anunciou a polícia. George Pell, o principal conselheiro financeiro do Papa Francisco e o mais alto representante da Igreja católica na Austrália, é o mais alto membro do Vaticano a ser formalmente indiciado por crimes relacionados com abuso sexual de menores.

  • "Foi o momento mais difícil da minha vida", disse a ministra emocionada
    3:24
  • A fábrica de caças na base aérea de Monte Real
    3:35

    País

    A Força Aérea portuguesa é a única força militar, para além da norte-americana, que pode mexer em praticamente todo o motor de um caça F-16. Na base aérea de Monte Real há uma fábrica de caças que pode levar o país a comprar mais aviões às peças, para revender a outras forças militares.

  • Comprar ou arrendar casa?
    8:25
  • Fui contactado por um espectador do “Contas-Poupança” (quartas-feiras, Jornal da Noite, SIC) e leitor do blogue www.contaspoupanca.pt, que foi surpreendido com uma carta do banco a aumentar o spread porque um dos serviços que tinha subscrito tinha sido extinguido. Neste caso específico, a domiciliação de ordenado. Ora, o cliente ficou estupefacto porque não mudou de empresa, não foi despedido nem tinha havido nenhuma alteração no recebimento do ordenado naquela conta.

    Pedro Andersson

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Temer acusado de prejudicar Polícia Federal
    2:36
  • Violência volta às favelas do Rio de Janeiro
    3:21

    Mundo

    As favelas do Rio de Janeiro voltaram aos níveis de violência dos anos 90. A cidade de Deus foi uma das favelas pacificadas que voltou a registar tiroteios diariamente, os moradores falam de situações de trauma e do medo das crianças.

  • Trump interrompe telefonema para elogiar jornalista

    Mundo

    A jornalista irlandesa Caitriona Perry viu-se esta terça-feira envolvida num momento que a própria classificou de "bizarro": um encontro inesperado com Donald Trump, que interrompeu um telefonema com o primeiro-ministro irlandês para... a elogiar.

    SIC

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.

  • Cão corre os EUA a entregar águas aos árbitros em jogos de basebol
    0:20