sicnot

Perfil

Mundo

Quatro anos e meio de conflito na Síria

CRONOLOGIA

Uma cronologia dos principais momentos que têm assinalado o conflito na Síria, um país devastado desde há quatro anos e meio por uma sangrenta guerra civil.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Rodi Said / Reuters

Os protestos pacíficos pró-reformas iniciados em 15 de março de 2011 neste país do Médio Oriente e reprimidos pelas forças do regime instigaram um levantamento armado que depois se generalizou a todo o país e justificou o início das intervenções externas.

Diversos grupos envolveram-se no conflito, que na semana passada registou um novo desenvolvimento na sequência do início da intervenção militar da Rússia, aliada do regime, através de ataques aéreos.

De acordo com o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), mais de 240 mil pessoas foram mortas no conflito desde 2011.

2011

15 março - Após 40 anos de regime totalitário liderado pela família Assad, eclodem protestos sem precedentes que exigem mais direitos civis e liberdade para os presos políticos.

Ocorrem ações repressivas em Damasco, Banias e Daraa, o centro da revolta, onde 100 pessoas são alegadamente mortas no dia 23.

O regime denuncia uma "rebelião armada de grupos salafistas", enquanto o Reino Unido, França e Estados Unidos denunciam a repressão.

Os protestos alastram em abril, com apelos para o derrube de Assad.

2013

17 julho - A rebelião moderada do Exército Sírio Livre (FSA) desencadeia a batalha por Damasco, mas as forças governamentais conseguem resistir, enquanto os rebeldes cercam a capital.

20 julho - Os rebeldes iniciam uma ofensiva na cidade de Aleppo (norte), desde então dividida entre regiões no leste ocupada pelos rebeldes e pelas forças do regime a oeste.

Em agosto, entra em cena no conflito diverso armamento pesado, incluindo aviões.

21 agosto - Os Estados Unidos acusam o regime de ter matado mais de 1.400 pessoas com armas químicas em duas zonas controladas pelos rebeldes perto de Damasco.

Em setembro, Washington e a Rússia concordam num plano para eliminar as armas químicas, afastando a ameaça de ataques aéreos norte-americanos.

2014

O grupo 'jihadista' Estado Islâmico (EI), que emerge no conflito em 2013, garante rapidamente importantes avanços territoriais no nordeste do país, impondo-se à inicial rebelião antirregime.

O EI designa a cidade de Raqqa como "capital" do seu califado, que é proclamado nos finais de junho nos territórios que controla na Síria e no Iraque, e onde impõe uma interpretação radical da lei islâmica.

O grupo reivindica numerosas execuções, incluindo reféns ocidentais. Os 'jihadistas', em particular a Frente Al-Nursa, filiada na Al-Qaida, reforçam a sua presença no norte do país, em detrimento do FSA.

2015

26 janeiro - Após mais de quatro meses de duros combates, forças curdas apoiadas por ataques aéreos liderados pelos Estados Unidos expulsam o EI de Kobane, junto à fronteira com a Turquia.

28 março - A Frente Al-Nursa, apoiada por grupos rebeldes aliados, assumem o controlo de grande parte da cidade de Idlib (noroeste), a segunda capital provincial após Raqa que o governo deixa de controlar.

6 maio - Assad afirma que os obstáculos são normais em situações de guerra e não significa que o conflito esteja perdido, mas em 26 de julho reconhece que as fileiras do seu exército estão mais reduzidas.

30 setembro - A Rússia desencadeia ataques aéreos na Síria, ao referir que a sua intervenção é dirigida contra os "grupos terroristas", incluindo o EI. Os rebeldes e os seus apoiantes internacionais dizem que estão a ser atingidas as posições dos opositores moderados do regime, com o objetivo de apoiar o regime de Assad.

7 outubro - As forças governamentais sírias desencadeiam uma vasta ofensiva terrestre contra os rebeldes na província central de Hama, apoiadas por intensos bombardeamentos aéreos russos. Moscovo refere que a sua marinha também disparou misseis de cruzeiro contra posições rebeldes a partir do Mar Cáspio.

Com Lusa

  • Depois do Fogo
    23:30

    Reportagem Especial

    Foi o incêndio mais mortífero de que há memória. No dia 17 de junho, as chamas apanharam desprevenidos moradores de vários concelhos e fizeram pelo menos 64 mortos. O incêndio prolongou-se durante vários dias deixando um rasto de histórias de perda e de sobrevivência, mas também de solidariedade de um sem número de pessoas anónimas.

  • "A menina agora volta para casa. Nós não." 

    Foi o desabafo do Cesário que me fez escrever qualquer coisa sobre o que vivi na última semana. Eram dez e pouco da noite, tinha acabado a vigília de homenagem às vítimas em Figueiró dos Vinhos e ele ainda tinha na mão um balão branco que àquela hora já só estava meio cheio. Era o último dia de uma longa e dura jornada de trabalho e estávamos a arrumar as coisas para no dia seguinte regressarmos a Lisboa.

    Débora Henriques

  • Pagar IMI a prestações e um Documento Único Automóvel mais pequeno

    País

    O programa Simplex + 2017 é apresentado hoje à tarde e recebeu mais de 250 propostas de cidadãos ao longo dos últimos meses. As novas medidas preveem o pagamento em prestações do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) e a criação de um simulador de custos da Justiça, que devem estar em vigor no próximo ano.

  • "A culpa morre sozinha?"
    0:41

    Opinião

    Luís Marques Mendes não acredita que o Ministério Público não formule uma acusação de homicídio por negligência e que não haja demissões na sequência do incêndio de Pedrógão Grande. O comentador da SIC debateu o tema este domingo no Jornal da Noite da SIC.

    Luís Marques Mendes

  • Cinco anos depois do incêndio na Serra do Caldeirão
    5:24

    País

    Pedrógão Grande fez reviver o drama vivido pelas gentes da Serra do Caldeirão no verão de 2012. Falta de bombeiros, moradores retirados à força, casas e floresta destruídas são semelhanças que encontram nestes dramas separados por cinco anos.

  • Novo avião da TAP com pintura retro
    0:36

    Economia

    O novo avião da TAP chama-se "Portugal", tem uma pintura retro e vai sobrevoar os céus do pais a partir desta segunda-feira. A companhia aérea explica que o nome e a pintura são uma forma de homenagear a ligação histórica entre a empresa e o país.