sicnot

Perfil

Mundo

Quatro anos e meio de conflito na Síria

CRONOLOGIA

Uma cronologia dos principais momentos que têm assinalado o conflito na Síria, um país devastado desde há quatro anos e meio por uma sangrenta guerra civil.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Rodi Said / Reuters

Os protestos pacíficos pró-reformas iniciados em 15 de março de 2011 neste país do Médio Oriente e reprimidos pelas forças do regime instigaram um levantamento armado que depois se generalizou a todo o país e justificou o início das intervenções externas.

Diversos grupos envolveram-se no conflito, que na semana passada registou um novo desenvolvimento na sequência do início da intervenção militar da Rússia, aliada do regime, através de ataques aéreos.

De acordo com o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), mais de 240 mil pessoas foram mortas no conflito desde 2011.

2011

15 março - Após 40 anos de regime totalitário liderado pela família Assad, eclodem protestos sem precedentes que exigem mais direitos civis e liberdade para os presos políticos.

Ocorrem ações repressivas em Damasco, Banias e Daraa, o centro da revolta, onde 100 pessoas são alegadamente mortas no dia 23.

O regime denuncia uma "rebelião armada de grupos salafistas", enquanto o Reino Unido, França e Estados Unidos denunciam a repressão.

Os protestos alastram em abril, com apelos para o derrube de Assad.

2013

17 julho - A rebelião moderada do Exército Sírio Livre (FSA) desencadeia a batalha por Damasco, mas as forças governamentais conseguem resistir, enquanto os rebeldes cercam a capital.

20 julho - Os rebeldes iniciam uma ofensiva na cidade de Aleppo (norte), desde então dividida entre regiões no leste ocupada pelos rebeldes e pelas forças do regime a oeste.

Em agosto, entra em cena no conflito diverso armamento pesado, incluindo aviões.

21 agosto - Os Estados Unidos acusam o regime de ter matado mais de 1.400 pessoas com armas químicas em duas zonas controladas pelos rebeldes perto de Damasco.

Em setembro, Washington e a Rússia concordam num plano para eliminar as armas químicas, afastando a ameaça de ataques aéreos norte-americanos.

2014

O grupo 'jihadista' Estado Islâmico (EI), que emerge no conflito em 2013, garante rapidamente importantes avanços territoriais no nordeste do país, impondo-se à inicial rebelião antirregime.

O EI designa a cidade de Raqqa como "capital" do seu califado, que é proclamado nos finais de junho nos territórios que controla na Síria e no Iraque, e onde impõe uma interpretação radical da lei islâmica.

O grupo reivindica numerosas execuções, incluindo reféns ocidentais. Os 'jihadistas', em particular a Frente Al-Nursa, filiada na Al-Qaida, reforçam a sua presença no norte do país, em detrimento do FSA.

2015

26 janeiro - Após mais de quatro meses de duros combates, forças curdas apoiadas por ataques aéreos liderados pelos Estados Unidos expulsam o EI de Kobane, junto à fronteira com a Turquia.

28 março - A Frente Al-Nursa, apoiada por grupos rebeldes aliados, assumem o controlo de grande parte da cidade de Idlib (noroeste), a segunda capital provincial após Raqa que o governo deixa de controlar.

6 maio - Assad afirma que os obstáculos são normais em situações de guerra e não significa que o conflito esteja perdido, mas em 26 de julho reconhece que as fileiras do seu exército estão mais reduzidas.

30 setembro - A Rússia desencadeia ataques aéreos na Síria, ao referir que a sua intervenção é dirigida contra os "grupos terroristas", incluindo o EI. Os rebeldes e os seus apoiantes internacionais dizem que estão a ser atingidas as posições dos opositores moderados do regime, com o objetivo de apoiar o regime de Assad.

7 outubro - As forças governamentais sírias desencadeiam uma vasta ofensiva terrestre contra os rebeldes na província central de Hama, apoiadas por intensos bombardeamentos aéreos russos. Moscovo refere que a sua marinha também disparou misseis de cruzeiro contra posições rebeldes a partir do Mar Cáspio.

Com Lusa

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • Equipa especial de três magistradas investiga crimes ligados ao futebol
    0:46

    Desporto

    A procuradora-Geral da República criou uma equipa com três magistradas para investigar os inquéritos relativos a crimes ligados ao futebol, que começou a trabalhar no início deste mês, no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP). Na edição do Tempo Extra desta quinta-feira, Rui Santos disse que a equipa promete reultados a curto prazo.

  • Hoje é notícia

    País

    Esta 5ª feira fica marcada pelo debate no Parlamento sobre a paridade, com duas propostas de lei do Governo para aumentar quotas de representação dos sexos de 33,3 para 40% no poder político e nos cargos dirigentes da administração pública. Termina ainda hoje prazo para lesados do BES aderirem a fundo de compensação de perdas. Ao nível internacional, destaque para a proclamação do novo Presidente de Cuba.

  • Mulher de português raptado em Moçambique faz apelo ao Governo
    0:24

    País

    Salomé Sebastião, a mulher do empresário português raptado em julho de 2016, em Moçambique, foi esta quarta-feira ouvida na Comissão Parlamentar de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas, no âmbito da petição entregue na Assembleia da República. A petição, subscrita por mais de quatro mil pessoas, pede aos deputados portugueses que pressionem as autoridades moçambicanas a investigar o paradeiro do português Américo Sebastião.

  • Sismo de magnitude 5,5 no sul do Irão

    Mundo

    Um sismo de magnitude 5,5 atingiu esta quinta-feira o sul do Irão, perto de uma unidade nuclear, abalando o Bahrein e outras áreas ao redor do Golfo Pérsico, segundo o Serviço Geológico dos EUA.

  • Princesa do Dubai que estava em fuga foi levada de volta a casa

    Mundo

    Latifa Mohamed al Maktoum, uma das filhas do emir do Dubai e primeiro-ministro dos Emirados Árabes Unidos, estava em fuga desde março. Latifa tinha partilhado um vídeo onde revelava que ia fugir e explicava os motivos. Fonte próxima do Governo do Dubai garantiu que a princesa foi levada de volta a casa.

    SIC

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.