sicnot

Perfil

Mundo

Dezenas de pessoas mantêm contactos com estado islâmico nos EUA impossíveis de controlar

Dezenas de pessoas dos Estados Unidos mantêm contactos através da Internet com membros ou simpatizantes do grupo estado islâmico no estrangeiro que são praticamente impossíveis de controlar, indicou o FBI na quinta-feira.

© Yuri Gripas / Reuters

Perante o comité de Segurança Nacional do Senado, o diretor da polícia federal norte-americana (FBI), James Comey, explicou que quando o estado islâmico identifica alguém através das redes sociais suscetível de simpatizar com o grupo, passa a utilizar um 'software' de encriptação que impossibilita as autoridades de seguirem o rasto das comunicações.

"O estado islâmico está a mandar mensagens que envenenam a cabeça das pessoas com problemas. O nosso desafio é encontrar estas 'agulhas' no 'palheiro' nacional, determinar se os recetores são apenas consumidores do veneno ou estão dispostos a atuar, e impedi-los no caso de ser assim", indicou Comey.

A maior dificuldade em todo o processo, segundo o diretor do FBI, é que, uma vez encontrada a "agulha" (uma pessoa suscetível de cair nas mãos do estado islâmico), esta "desaparece" da rede ao começar a utilizar comunicações encriptadas, coincidindo com a sua etapa de "maior perigosidade".

De acordo com Comey, as mensagens encriptadas tornam-se impossíveis de seguir pelo FBI.

No entanto, explicou também que o Departamento de Justiça norte-americano mantém conversações com empresas tecnológicas para encontrar uma maneira de poder aceder, sempre com ordem judicial, a estas comunicações.

Questionado pelos senadores sobre a possibilidade de existirem terroristas entre os refugiados sírios que a administração de Barack Obama se comprometeu a acolher, Comey indicou que "não existe risco zero" e que, por isso, é preciso "ter cuidado".

Por seu lado, o diretor do Centro Nacional Antiterrorista, Nicholas Rasmussen, assegurou que 28 mil pessoas viajaram para zonas controladas pelo estado islâmico durante os últimos três anos, incluindo 5.000 ocidentais e, entre estes, 250 norte-americanos.

Lusa

  • As primeiras decisões do Presidente Trump
    1:39
  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O diretor de informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Celebridades protestam contra Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Encontrados dez sobreviventes no hotel engolido por avalanche em Itália
    1:44
  • Cantora brasileira conhecida pela "Lambada" terá sido assassinada
    1:25

    Mundo

    Terá sido assassinada a cantora brasileira conhecida em Portugal pela "lambada", um ritmo que marcou o fim dos anos 90. Foi encontrada carbonizada dentro do próprio carro depois de assaltada em casa. Três suspeitos suspeitos do homicídio da cantora Loalwa Braz foram já detidos.