sicnot

Perfil

Mundo

EUA felicitam grupos da sociedade civil da Tunísia por Nobel da Paz

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, felicitou hoje os grupos da sociedade civil da Tunísia que venceram o prémio Nobel da Paz por contribuição para uma democracia pluralista no país.

Susan Walsh

"O prémio de hoje é também um tributo à perseverança e à coragem do povo tunisino que, em face de assassínios políticos e ataques terroristas, se juntou num espírito de unidade, compromisso e tolerância", disse, em comunicado, Barack Obama.

O Comité Nobel Norueguês atribuiu hoje o Prémio Nobel da Paz ao Quarteto para o Diálogo Nacional na Tunísia pela contribuição para a construção de uma democracia pluralista após a Revolução de Jasmim de 2011.

O Quarteto integra quatro "organizações chave" da sociedade civil tunisina: A União Geral dos Trabalhadores da Tunísia (UGTT), A Confederação de Indústria, Comércio e Artesanato da Tunísia (UTICA), A Liga dos Direitos Humanos da Tunísia (LDHT) e da Ordem Nacional dos Advogados da Tunísia (ONAT).

O Quarteto, lembrou o Comité Nobel Norueguês, foi formado no verão de 2013 após o processo de democratização ter ameaçado colapsar após uma onda de assassínios políticos e de manifestações de protesto.

Para o Comité Nobel, as quatro instituições criaram um processo político alternativo e pacífico numa altura em que o país estava à beira de uma guerra civil.

Lusa

  • Pecado da gula ameaça maior anfíbio do mundo

    Mundo

    O maior anfíbio do mundo está em sério risco de extinção. Iguaria muito apreciada no Oriente, a salamandra-gigante-da-China já praticamente desapareceu do seu habitat natural, concluiu uma pesquisa realizada durante quatro anos. Em contraste, milhões de animais são reproduzidos em cativeiro e têm como destino restaurantes de luxo.

  • Gilberto Gil cancela atuação em Israel

    Cultura

    O músico brasileiro Gilberto Gil cancelou a atuação que tinha marcada para Telavive, em Israel, no dia 4 de julho, na sequência de protestos em Gaza durante os quais o exército daquele país matou 60 palestinianos.