sicnot

Perfil

Mundo

Nobel da Paz atribuído ao Quarteto para o Diálogo Nacional na Tunísia

O Comité Nobel Norueguês atribuiu hoje o Prémio Nobel da Paz ao Quarteto para o Diálogo Nacional na Tunísia pela contribuição para a construção de uma democracia pluralista após a Revolução de Jasmim de 2011, anunciou hoje a instituição.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Anis Mili / Reuters

O Quarteto integra quatro "organizações chave" da sociedade civil tunisina: A União Geral dos Trabalhadores da Tunísia (UGTT), A Confederação de Indústria, Comércio e Artesanato da Tunísia (UTICA), A Liga dos Direitos Humanos da Tunísia (LDHT) e da Ordem Nacional dos Advogados da Tunísia (ONAT).

O Quarteto, lembrou o Comité Nobel Norueguês, foi formado no verão de 2013 após o processo de democratização ter ameaçado colapsar após uma onda de assassínios políticos e de manifestações de protesto.

Para o Comité Nobel, as quatro instituições criaram um processo político alternativo e pacífico numa altura em que o país estava à beira de uma guerra civil.

"Foi um instrumento essencial para permitir que a Tunísia, no espaço de poucos anos, constituísse um sistema constitucional de Governo, garantindo os direitos fundamentais para toda a população, independentemente do género, convicção política ou crença religiosa", lê-se no documento.

As quatro organizações representam diversos setores e valores da sociedade tunisina, como o direito ao trabalho e ao bem-estar e os princípios do primado da lei e dos Direitos Humanos.

Nesta base, prossegue o comunicado do Comité Nobel Norueguês, o Quarteto desempenhou "com grande autoridade moral" o seu papel de mediador e de força condutora em direção ao desenvolvimento democrático e pacífico da Tunísia.

"O Prémio Nobel da Paz de 2015 é atribuído ao Quarteto e não individualmente a cada uma das quatro organizações", frisa o Comité Nobel, lembrando que a "Primavera Árabe" começou precisamente na Tunísia em 2010 e 2011, espalhando-se rapidamente a outros países norte-africanos e do Médio Oriente.

"Em muitos destes países, a luta pela democracia e pelos direitos fundamentais chegou a impasses ou sofreu inúmeros reveses. A Tunísia, porém, assistiu a uma transição democrática baseada numa vibrante sociedade civil, com pedidos sucessivos de respeito pelos Direitos Humanos", lê-se no documento.

Segundo a argumentação do Comité Nobel, um fator essencial para a revolução pacífica na Tunísia foi a realização de eleições democráticas após os esforços do Quarteto para apoiar os trabalhos da Assembleia Constituinte e garantir a aprovação do processo constitucional envolvendo a população tunisina.

O Quarteto, prossegue o Comité Nobel, abriu caminho ao diálogo pacífico entre os cidadãos, partidos políticos e autoridades e ajudou a encontrar um consenso sobre um vasto leque de desafios entre as divisões políticas e religiosas então existentes.

"O diálogo nacional promovido pelo Quarteto teve sucesso e permitiu conter a violência na Tunísia e o seu papel enquadra-se nas premissas de paz a que Alfred Nobel se referiu no seu testamento", justifica o Comité.

O curso dos eventos ocorrido no país desde a queda do regime autoritário de Ben Ali, em janeiro de 2011, "é único e notável" por várias razões, considerou o júri, que destaca, em primeiro lugar, a possibilidade, comprovada, de os movimentos políticos seculares e representantes do Islão podem trabalhar em conjunto para obter resultados significativos para o melhor interesse da Tunísia.

"O exemplo da Tunísia sublinha, por isso, o valor do diálogo e do bom senso nacional numa região marcada por conflitos", acrescenta-se no documento, que dá como segundo exemplo o facto de a transição tunisina ter demonstrado que as instituições e as organizações da sociedade civil podem ter um papel "crucial" na democratização de um país.

"Deve ser dado ao Quarteto muito do crédito pelo feito e pela garantia de que os benefícios da «Revolução de Jasmim» não serão perdidos", argumenta ainda o Comité Nobel Norueguês.

Segundo o comunicado, a Tunísia enfrenta ainda desafios "significativos" nas áreas política, económica e social, pelo que o Comité estima que, com o prémio Nobel que hoje atribuiu possa também contribuir para salvaguardar a democracia na Tunísia e possa inspirar todos os que estão igualmente a promover a paz e a democracia no Médio Oriente, norte de África e no resto do mundo.

"Mais do que qualquer outra coisa, o prémio visa encorajar o povo tunisino que, apesar dos desafios pela frente, criou uma plataforma para a fraternidade nacional que, espera o Comité, possa servir de exemplo a seguir por outros países", concluiu.

Com Lusa

  • Partido Podemos com votação inédita em Espanha
    1:32

    Mundo

    Há uma votação inédita em Espanha. O Podemos começou esta terça-feira a decidir a continuidade do líder do partido, depois de Pablo Iglesias e a companheira terem comprado uma casa de 600 mil euros.

  • Rui Rio alerta que violações do segredo de justiça ameaçam democracia
    2:16

    País

    Rui Rio diz que não pede demissões "a cada esquina" e prefere aguardar pelas respostas do ministro Adjunto Siza Vieira, sobre o alegado conflito de interesses com os acionistas chineses da EDP. O líder do PSD esteve esta terça-feira reunido com a direção nacional da Polícia Judiciária, onde defendeu que a violação do segredo de justiça é insustentável e ameaça o regime democrático.

  • Reclusos limpam Ria Formosa
    3:01

    País

    Alguns reclusos do estabelecimento prisional de Olhão estão pela segunda vez a limpar a ilha da Armona, na Ria Formosa. São homens que beneficiam de regime aberto e, em fim de cumprimento de pena, têm com este trabalho uma amostra da liberdade que tanto aguardam.

  • A maior obra de reconversão urbana em Portugal 20 anos depois
    3:47