sicnot

Perfil

Mundo

Ondas de calor em França causam 3 mil mortes acima da média

As ondas de calor em França no ano passado provocaram mais três mil mortes suplementares, segundo um primeiro balanço publicado esta sexta-feira pelas autoridades sanitárias.

"No total, foi estimado um excesso de 3300 mortes (6,5%) no período de três episódios entre 29 de junho e 9 de agosto", indicou o Instituto francês de Vigilância Sanitária (InVS). (Arquivo)

"No total, foi estimado um excesso de 3300 mortes (6,5%) no período de três episódios entre 29 de junho e 9 de agosto", indicou o Instituto francês de Vigilância Sanitária (InVS). (Arquivo)

© Eric Gaillard / Reuters

"No total, foi estimado um excesso de 3300 mortes (6,5%) no período de três episódios entre 29 de junho e 9 de agosto", indicou o Instituto francês de Vigilância Sanitária (InVS).

A grande canícula de 2003, ocorrida de 4 a 18 de agosto, traduziu-se por um balanço muito mais pesado, com 15 mil mortos suplementares, ou seja, mais 55% do que a média de falecimentos registada normalmente neste período do ano, sem este fenómeno.

Segundo o InVS, uma subida da mortalidade para as patologias associadas ao calor foi registada este verão "em todas as regiões" que tiveram fortes temperaturas.

As mortes suplementares não podem porém "ser todas imputadas ao calor", preveniu este instituto.

Os seus cálculos são baseados em dados administrativos, nos quais as causas das mortes não são determinadas. "Não é possível hoje" avaliar precisamente a parte imputável ao elevado calor nas mortes suplementares, escreveu o InVS.

A França conheceu três episódios de canícula durante o verão. O primeiro, precoce, intenso e prolongado, durou de 29 de junho a 05 de julho. O segundo, concentrou-se no quarto sudeste do país. Um último, curto, entre 05 e 09 de agosto, ocorreu numa zona reduzida do país.

Lusa

  • Primeiro-ministro agradece sacrifícios dos portugueses
    0:46

    Economia

    O primeiro-ministro diz que os números do INE em relação ao défice de 2016 são prova de que havia uma alternativa e deixou uma palavra de agradecimento aos portugueses. As declarações de António Costa foram feiras aos jornalistas em Roma, onde se encontra para assinalar no sábado os 60 anos da União Europeia.

  • Jerónimo diz que UE vai continuar a causar constrangimentos a Portugal
    0:35

    Economia

    Esta sexta-feira na inauguração de uma exposição em Almada que denuncia a precariedade dos postos de trabalho, Jerónimo de Sousa falou sobre o défice de 2016. Para o secretário-geral do PCP, apesar do Governo ter ido além do exigido por Bruxelas, a União Europeia vai continuar a impedir Portugal de crescer.

  • Enfermeiros desconvocam greve

    País

    O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) desconvocou esta sexta-feira a greve geral nacional marcada para quinta e sexta-feira da próxima semana, anunciou o presidente da estrutura, justificando com os compromissos assumidos pelo Ministério da Saúde.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Probido fumar na praia? Não-fumadores aplaudem ideia
    1:33

    País

    O Comissário Europeu da Saúde defende uma proibição total do consumo de tabaco no espaço público. Esta e outras medidas foram defendidas, ontem, na Conferência Tabaco e Saúde da Liga Portuguesa Contra o Cancro. 

  • Visitar o Titanic vai custar 97 mil euros por pessoa

    Mundo

    Uma viagem a bordo do Titanic em 1912 era considerada uma viagem de luxo. Mais de 100 anos depois, continua a ser um luxo visitar o Titanic. Em 2018, vai ser possível conhecer os restos daquele que em tempos foi o maior navio do mundo. Contudo, nem todos vão poder fazê-lo, pois a viagem irá custar cerca de 97 mil euros por pessoa.