sicnot

Perfil

Mundo

Tabaco ameaça matar um terço da população chinesa

Num país onde o maço de cigarros custa 0,40€, um terço da população anda de cigarro na boca. São sobretudo homens com menos de 20 anos que vão morrer prematuramente se não deixarem de fumar. A conclusão é da revista de medicina The Lancet que publicou um estudo elaborado por cientistas da Universidade de Oxford, da Grã-Bretanha, da Academia Chinesa de Ciência e do Centro Chinês de Controlo de Doenças.

© Aly Song / Reuters

O país mais populoso do planeta tem atualmente 300 milhões de fumadores, que consomem aproximadamente um terço dos cigarros produzidos no mundo.

Se nada for feito, o número de mortos devido ao consumo de tabaco passará de um milhão em 2010, para dois milhões em 2030 e três milhões em 2050.

São as conclusões do estudo publicado pela revista Te Lancet, que integrou investigadores da Universidade de Oxford, da Academia Chinesa de Medicina e do Centro Chinês de Controle de Doenças.

"Sem uma intervenção imediata, contínua e generalizada contra o tabaco, a China será confrontada com uma enorme quantidade de mortes prematuras", explicou um dos autores do estudo, o professor Liming Li.

Atualmente mais de 6 milhões de pessoas morram por ano devido ao tabaco, com cancro ou doenças cardiovasculares. 20% dos óbitos de homens com idades entre 40 e 79 anos estão relacionadas com o tabagismo, revela o estudo.

Cerca de dois terços dos jovens chineses começam a fumar no início da idade adulta, garantem os cientistas. "A menos que parem de fazê-lo, metade dos jovens acabará por morrer" por causa do tabaco.

  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Houve "erros defensivos que normalmente a equipa não comete"
    0:38

    Desporto

    No final do jogo, quando questionado sobre a ausência de Casillas no onze do FC Porto, Sérgio Conceição referiu que a equipa apresentada era aquela que lhe oferecia garantias. Quanto ao jogo, o treinador portista reconheceu que a equipa cometeu vários erros defensivos.

  • "Cometemos erros e há que tentar corrigi-los"
    0:41

    Desporto

    No final do jogo em Leipzig, Iván Marcano desvalorizou a ausência de Iker Casillas e entendeu que o facto de o guarda-redes ter ficado no banco não teve impacto na equipa. Já sobre o jogo, o central espanhol garantiu que não correu da forma como os jogadores esperavam.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.