sicnot

Perfil

Mundo

Nobel da Literatura previne europeus contra "ditadura suave" na Bielorrússia

A prémio Nobel da Literatura 2015, Svetlana Alexievitch, definiu hoje o regime da Bielorrússia como uma "ditadura suave" na véspera das eleições presidenciais no seu país, dirigido há 21 anos pelo Presidente Alexander Lukashenko.

© Fabrizio Bensch / Reuters

A escritora bielorrussa exprimiu-se em Berlim na véspera e um escrutínio no qual a oposição foi afastada e que deverá reconduzir Lukashenko para um quinto mandato consecutivo, e alertou os europeus contra um levantamento das sanções dirigidas a Minsk.

Eleito pela primeira vez em julho de 1994, o homem forte da Bielorrússia e que dirige esta ex-república soviética situada entre a União Europeia (UE) e a Rússia, pretende obter uma taxa de participação convincente para esta eleição que será seguida de perto pelos europeus, que já terão admitido o fim das sanções contra si e colaboradores mais próximos.

Para Svetlana Alexievitch, qualquer aproximação a quem gosta de ser designado por "Batka" (o pequeno pai) da Bielorrússia seria um erro de apreciação.

"De quatro em quatro anos, novos responsáveis europeus chegam ao poder e pensam poder resolver o problema Lukashenko sem saber que ele não é um homem digno de confiança", declarou durante uma conferência de imprensa em Berlim.

"É um 'homem soviético' e nunca mudará", assegurou, numa referência ao 'homo sovieticus' que percorre a sua obra e relacionada com a dificuldade dos países do antigo bloco de Leste se libertarem de uma conceção autoritária da política e da sociedade.

O regime de Lukashenko multiplicou os gestos de apaziguamento, ao libertar designadamente este verão os últimos presos políticos, onde se incluía o opositor número um Mikola Statkevitch, que esteve detido durante cinco anos.

Um "gesto" apreciado pelos europeus, que encaram suspender as sanções aplicadas em 2011 em protesto contra a repressão violenta que se seguiu à reeleição de Lukashenko em 2010.

Para a Nobel da Literatura, os europeus não devem alimentar ilusões face à "ditadura suave" de Lukashenko, que se tem tentado posicionar como mediador entre a UE e Moscovo face às tensões provocadas pela crise ucraniana.

Enquanto a decisão sobre o levantamento das sanções deve ser decidida até ao final de outubro, os europeus aguardam o desenrolar da eleição presidencial, na qual Lukashenko de confronta com três candidatos praticamente desconhecidos.

Os 28 pretendem assegurar que "não vão registar-se novas prisões de opositores, violência, perseguições aos media", referiu um diplomata à agência noticiosa AFP.

Durante uma conferência de imprensa no sábado em Minsk, dois dos três rivais de Lukashenko escusaram-se a emitir fortes críticas ao líder bielorrusso, e a sua campanha parece refletir a lassitude dos eleitores.

Por motivos diversos, os principais candidatos da oposição democrática foram impedidos pela comissão eleitoral, e apelaram ao boicote do escrutínio.

"É uma posição fraca. Nunca apoiei o boicote das eleições. Mas se não temos candidato, porquê ir votar?", disse à AFP o opositor Mikola Statkevitch.

Convencido que a sua libertação da prisão se destina a agradar aos ocidentais devido à aproximação do escrutínio, Statkevitch desfilou hoje ao lado de 500 manifestantes em Minsk, que agitaram bandeiras europeias e pediram em cartazes a saída de Lukashenko.

Após o anúncio da atribuição do Nobel da Literatura, o Presidente bielorrusso felicitou a escritora, mesmo que alguns dos seus livros estejam proibidos no país e que as autoridades impeçam com frequência as aparições em público de Svetlana Alexievitch em Minsk, onde vive uma parte do ano.

Lusa

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Irão lança míssil de médio alcance
    1:13

    Mundo

    Três dias depois do discurso hostil de Donald Trump nas Nações Unidas, o Irão testou um novo míssil de médio alcance que atingiu uma altura de dois mil quilómetros. Teerão diz que o teste não viola o acordo nuclear.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Guterres apela à Coreia do Norte para cumprir resoluções

    Mundo

    O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, apelou este sábado ao ministro do Exterior da Coreia do Norte, Ri Yong Ho, para o cumprimento das resoluções que o Conselho de Segurança impôs ao país em resposta à sua escalada armada.

  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.