sicnot

Perfil

Mundo

Donald Trump diz que é "loucura" Alemanha receber refugiados

O pré-candidato republicano à presidência dos Estados Unidos da América Donald Trump classificou de louca a posição da chanceler alemã Angela Merkel, de acolher refugiados e disse que essa política apenas irá provocar motins no país.

ERIK S. LESSER

"Sempre pensei que [Angela] Merkel era uma grande líder. O que ela está a fazer na Alemanha é uma loucura. Uma loucura", disse hoje Donald Trump, no programa "Face the Nation", do canal de televisão CBS.

Na opinião de Trump, cuja popularidade subiu em alguns setores por causa dos seus comentários anti-imigração, a Europa "vai ter de lidar" com a crise migratória e deixou o aviso: "Vai haver motins na Alemanha".

Estima-se que a Alemanha venha a receber entre 800 mil e um milhão de refugiados, ainda neste ano, e a chanceler alemã insistiu que o seu país tem capacidade para lidar com esse número de pessoas.

Por seu lado, o pré-candidato republicano reiterou que os Estados Unidos da América não devem acolher refugiados, repetindo que acredita que os migrantes aparentam ser sobretudo "homens fortes", semelhantes a soldados que lutam pela causa 'jihadista'.

Sublinhando que será um grande problema se as pessoas que a Europa está a receber se revelarem combatentes de grupos islâmicos, Trump defendeu a criação de uma zona segura na região noroeste da Síria, onde os refugiados pudessem proteger-se da guerra que assola o país.

A ideia já foi apoiada pela Turquia, país que atualmente tem mais de 1,8 milhões de refugiados sírios no seu território, e tem sido discutida no seio do Departamento de Estado norte-americano, mas Washington ainda não tomou nenhuma posição pública.

Na versão de Trump dessa zona segura, os países do Golfo uniriam esforços para "retirarem uma grande parcela de terra à Síria e criarem uma zona segura para as pessoas".

Para o candidato às primárias republicanas, isso faria com que, posteriormente, os refugiados regressassem ao seu país de origem.

Lusa

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Dijsselbloem não comenta hipótese de ser substituído por Mário Centeno
    2:41

    Mundo

    Jeroen Dijsselbloem diz que cabe ao Governo português avançar com o nome de Mário Centeno para a presidência do Eurogrupo, mas não comenta a sondagem que foi feita ao ministro das Finanças português. Ouvido esta quinta-feira no Parlamento Europeu, o Presidente do Eurogrupo esteve no centro das críticas e reafirmou que não se demite.