sicnot

Perfil

Mundo

França considera escalada de violência no Médio Oriente "extremamente perigosa"

A Presidência francesa considerou hoje "extremamente preocupante e perigosa" a "escalada" de violência nos territórios palestinianos e em Jerusalém Oriental, segundo um comunicado.

© POOL New / Reuters

"Tudo deve ser feito para acalmar a situação e acabar com este ciclo [de violência] que já causou numerosas vítimas", acrescentou a Presidência de François Hollande, no documento.

Já hoje foi noticiado que uma grávida palestiniana, Nur Hassan, de 30 anos, e a sua filha Rahaf Hassan, com dois anos, foram mortas num ataque aéreo de retaliação israelita em Gaza que destruiu a sua casa, segundo avançaram os médicos, acrescentando que outras três pessoas estavam presas por baixo dos destroços da casa da família, na zona de Zeitun, na Faixa de Gaza.

Israel disse que tinha como alvo "duas instalações do Hamas para o fabrico de armas". O ataque surgiu em resposta aos dois 'rockets' lançados contra Israel no sábado, bem como a várias tentativas violentas de entrada em Israel a partir de Gaza, por palestinianos.

Também hoje, a polícia israelita evitou impactos maiores de um atentado suicida na Cisjordânia perpetrado por uma mulher palestiniana que fez detonar uma bomba num carro, ficando gravemente ferida e ferindo um agente israelita, segundo as autoridades israelitas.

Desde o início da vaga de violência de 01 de outubro, 23 palestinos foram mortos, incluindo sete supostos autores de ataques com armas brancas e quatro israelitas.

"Este novo agravamento da situação também confirma a urgência do reinício de esforços políticos", disse a Presidência francesa, acrescentando que Paris "não se poupará a esforços para trabalhar nesse sentido".

Lusa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Segunda-feira no Jornal da Noite