sicnot

Perfil

Mundo

Popularidade da CDU de Merkel no nível mais baixo em dois anos

A popularidade do partido de Angela Merkel, União Democrata Cristã (CDU), está no nível mais baixo em dois anos devido ao afluxo de refugiados, um assunto que causa forte tensão na família política da chanceler.

MARIUS BECKER

Segundo a última sondagem publicada hoje no jornal Bild sobre as intenções de voto dos alemães, a CDU recuou dois pontos para 38% e, apesar de continuar à frente, nunca esteve com um nível tão baixo desde as eleições de setembro de 2013.

Os alemães mostram-se também mais numerosos (48%) a criticar a política generosa da chanceler em relação aos migrantes do que a apoiá-la (39%).

Duas formações políticas que pedem mais firmeza de Berlim em relação aos migrantes, o partido populista Alternativa para a Alemanha e o partido liberal FDP, avançam um ponto cada uma, ficando respetivamente com 5 e 6% das intenções de voto, segundo a sondagem.

Numa entrevista que será publicada na segunda-feira no Bild, Merkel afirma que o elevado número de refugiados que o país recebe não vai levar a um aumento de impostos.

"Podemos estar contentes por ter sabido gerir bem o orçamento nos últimos anos e a nossa situação económica ser boa atualmente", disse a chanceler nos excertos divulgados hoje pelo jornal, afastando a hipótese de uma subida de impostos devido à crise dos refugiados.

Quanto à prevista introdução de um cartão sanitário para os que pediram asilo, Merkel garantiu que nenhum contribuinte "deve ter medo que os refugiados lhe tirem parte dos seus benefícios".

Lusa

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15