sicnot

Perfil

Mundo

Hillary cometeu um "erro" ao usar e-mail pessoal no Governo, diz Obama

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, considera que Hillary Clinton cometeu um "erro" ao usar o seu correio eletrónico pessoal quando era secretária de Estado, mas observou que tal não colocou em perigo a segurança nacional.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Jim Young / Reuters

Obama pronunciou-se sobre o caso numa entrevista transmitida, este domingo, pela cadeia de televisão CBS, em que também falou do último ano no poder e afirmou que caso pudesse candidatar-se novamente à Casa Branca voltaria a ser eleito.

Questionado sobre a controvérsia relativa ao correio eletrónico de Clinton - apontada como favorita entre os aspirantes democratas à presidência dos Estados Unidos da América em 2016 - afirmou não acreditar que tal tenha representado "um problema de segurança nacional".

"Creio que foi um erro que ela reconheceu. Em geral, quando estamos nestes cargos, temos que ser mais cuidadosos e mantermo-nos o mais retos possível quando se trata da forma como gerimos a nossa informação, como gerimos os nossos próprios dados pessoais. Cometeu um erro, reconheceu-o", afirmou.

Obama garantiu, no entanto, que "a forma como se tem magnificado [o assunto] tem que ver em parte com a política eleitoral".

"Esta é uma das questões em que creio ser legítimo [fazer perguntas], contudo, o facto de durante os últimos três meses ter sido a única coisa de que se fala é uma indicação de que estamos numa temporada política presidencial", acrescentou.

A polémica sobre o correio eletrónico de Clinton estalou semanas antes de anunciar a sua campanha à presidência nas eleições de 2016, quando foi tornado público que, durante os quatro anos que esteve no Departamento de Estados, utilizou a sua conta de e-mail pessoal para as suas comunicações, com um servidor privado.

Clinton reconheceu em março último que teria sido "mais inteligente" utilizar uma conta de correio eletrónico oficial.

Os rivais republicanos acusam Hillary Clinton de ter recorrido a uma conta privada para manter a correspondência fora dos registos oficiais.

A antiga chefe da diplomacia norte-americana argumentou, por seu turno, que, no final de 2014, enviou 55 mil páginas impressas, correspondentes a 30 mil mensagens a agentes da administração que vão arquivar a informação e disponibilizá-la ao público, como requerido por lei, o que começou, entretanto, a ser feito.

Já questionado sobre a possibilidade de o seu vice-presidente, Joe Biden, se lançar nas primárias democratas, Obama limitou-se a indicar que o seu "número dois" será lembrado "como um dos melhores vice-presidentes da história", afirmando ainda não acreditar que haja "um político a nível nacional que não tenha pensado em ser Presidente".

Obama, que abandona a Casa Branca em janeiro de 2017, após cumprir dois mandatos, o máximo permitido pela Constituição dos Estados Unidos, não hesitou quando questionado pelo jornalista se acreditava que venceria as eleições caso pudesse candidatar-se de novo e o fizesse.

"Sim", afirmou.

Contudo, ressalvou que "nenhuma pessoa é indispensável", pelo que ter outra pessoa com "uma perspetiva fresca, pessoal novo e novas ideias" na Casa Branca "é bom e saudável para a democracia".

"Entra-se no último ano no poder e creio que [o sabor] é agridoce. Por um lado, estou muito orgulhoso do que conseguimos, o que me faz pensar que gostaria de fazer mais. Mas, quando terminar, creio que será hora de ir", assegurou Obama.

Lusa

  • Hillary Clinton contra o acordo de comércio livre na região da Ásia e do Pacífico
    1:12

    Mundo

    Hillary Clinton está contra o TPP, o acordo de comércio livre assinado há dias por 12 países da região da Ásia e do Pacífico. Juntos, estes países representam 40% da economia mundial. A candidata à Presidência dos Estados Unidos diz que não apoia este entendimento e que às vezes os acordos comerciais parecem melhor no papel do que depois aplicados à realidade.

  • Salah Abdeslam deixa cadeira vazia na leitura da sua sentença
    2:05

    Mundo

    O único suspeito vivo dos ataques de Paris em 2015 foi esta segunda-feira condenado a 20 anos de prisão por um tribunal belga, num processo paralelo: um tiroteio em março de 2016, em Bruxelas. Tanto Salah Abdeslam como o cúmplice não quiseram estar na leitura da sentença. O julgamento de Salah Abdeslam pelos ataques de Paris só deverá acontecer no próximo ano, em França.

  • Beyoncé e a irmã caem no Coachella e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.