sicnot

Perfil

Mundo

Zimbabué renuncia processar norte-americano que matou leão Cecil

O Zimbabué decidiu não processar o dentista norte-americano que matou em julho o emblemático leão Cecil dado que "os seus papéis estavam em ordem" e ignorava que estava a cometer uma ilegalidade.

"Constatou-se que (Walter) Palmer vaio ao Zimbabué porque todos os seus papéis estavam em ordem", disse a ministra do Ambiente, Oppah Muchinguri, em conferência de imprensa em Harare, acrescentando que o norte-americano será sempre bem-vindo ao Zimbabué "mas não para caçar".

O ministro explicou ainda que proprietário do terreno onde decorreu a caçada não tinha o direito de propôr matar leões nas suas terras, uma vez que não tinha quota atribuída para tal.

Walter Palmer, que seguia o seu guia, ignorava em que terrenos se encontrava quando disparou sobre o leão Cecil. No entanto, o dentista tinha pago 55 mil dólares (50 mil euros) legalmente para obter a permissão de caça e o safari.

  • Atacantes usaram "tática defendida pelos extremistas do Daesh"
    1:43

    Ataque em Barcelona

    O ex-presidente do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo esteve em direto, para a SIC Notícias, onde falou sobre o ataque desta quinta-feira nas Ramblas, em Barcelona. José Manuel Anes falou na tática defendida na revista dos extremistas do Daesh e que foi usada neste ataque: a utilização de viaturas "de preferência as mais pesadas para matar o maior número de pessoas".