sicnot

Perfil

Mundo

Israel usará "todos os meios" disponíveis para acabar com a violência palestiniana

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, afirmou hoje que Israel irá usar "todos os meios" à sua disposição para acabar com a violência palestiniana, referindo ainda que novas medidas de segurança estão a ser planeadas.

© POOL New / Reuters

"Vamos usar todos os meios à nossa disposição para restaurar a calma", disse Benjamin Netanyahu, numa intervenção diante do Parlamento israelita.

O governo "vai decidir ainda hoje medidas fortes suplementares" que " produzam efeitos no terreno o mais rápido possível", reforçou.

Na mesma intervenção, Netanyahu advertiu o presidente da Autoridade Palestiniana, Mahmud Abbas, de que o governo israelita irá responsabilizá-lo caso exista uma maior deterioração da situação, depois de quase duas semanas marcadas por vários incidentes violentos entre israelitas e palestinianos, incluindo ataques com armas brancas.

O chefe do governo israelita pediu ainda a Abbas que garanta o fim das "incitações ao ódio" do lado palestiniano.

"Em caso de agravamento da situação na sequência de incitações ao ódio, [Mahmud Abbas] será responsabilizado", concluiu.

A violência entre israelitas e palestinianos registou hoje um novo episódio, com a morte de três israelitas em dois ataques em Jerusalém.

Também hoje um palestiniano foi morto em Belém, a sul de Jerusalém na Cisjordânia ocupada, durante confrontos com o exército israelita, segundo indicaram fontes médicas palestinianas.

Segundo uma porta-voz do exército israelita, os soldados dispararam contra um homem que estava a preparar o lançamento de um engenho incendiário contra um veículo militar e que representava uma "ameaça imediata".

Com a morte de Moataz Zawahra, de 28 anos e oriundo do campo de refugiados de Dheicheh em Belém, o número de vítimas mortais desta nova vaga de violência, que teve início a 01 de outubro, já ronda as quatro dezenas: cerca de 30 palestinianos e sete israelitas.

Lusa

  • Eurogrupo dá luz verde ao Orçamento do Estado
    0:29

    Orçamento do Estado 2017

    O Orçamento português passou no Eurogrupo mas os ministros das Finanças alertam que podem ser precisas mais medidas para cumprir as metas e em março vão voltar a olhar para as contas. Para já, estão satisfeitos com o compromisso assumido por Mário Centeno e mais sete ministros da zona euro, cujos Orçamentos estão em risco de incumprimento.

  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados".Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade. A SIC esteve em Luanda e falou com o advogado Adolfo Campos e com os músicos Carbono Casimiro, Mona Dya Kidi e David Salei. Já todos estiveram presos. Já todos foram vítimas de violência policial. Defendem que "a geração anterior comprometeu o país" e acreditam que só a mudança política pode trazer um futuro melhor. Para estes jovens activistas, a guerra que arrasou o país, e com que o regime justifica tudo, não deixou heróis, apenas "vilões e vítimas".

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59