sicnot

Perfil

Mundo

Pequim arrecadou 13,8 milhões de euros em multas por poluição

A capital chinesa arrecadou 100 milhões de yuan (13,85 milhões de euros) em multas aplicadas por violação das normas ambientais nos primeiros nove meses do ano, quase o dobro em termos homólogos, noticiou hoje a agência oficial Xinhua.

Reuters

Entre janeiro e setembro, as autoridades de Pequim investigaram 2.492 casos envolvendo poluição da água e do ar, e projetos de construção que não cumpriram com as normas.

Em outubro, a China introduziu taxas para as empresas emissoras de Compostos Orgânicos Voláteis, responsáveis pela formação de PM2.5, as partículas suspensas inaláveis usadas como principal indicador para avaliar a poluição atmosférica.

Fabricantes de mobiliário e empresas dos setores da petroquímica, automóveis e eletrónicos foram as mais afetadas, com multas que variam entre os 10 e o 40 yuan (1,40 euros e 5,5 euros, respetivamente) por quilo de matéria descarregada.

"As multas são superiores aos custos que as empresas teriam se tratassem devidamente as suas emissões, e por isso deverão obrigar à adoção de práticas limpas", escreveu a Xinhua.

A poluição é uma das principais fontes de insatisfação popular na China.

Em Pequim, sede de um município com cerca de 21,5 milhões de habitantes, a qualidade do ar está muitas vezes acima dos limites recomendados pela Organização Mundial de Saúde.

"Iremos declarar guerra à poluição e iremos combatê-la com a mesma determinação com que lutámos contra a pobreza", anunciou o primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, no primeiro relatório que apresentou à Assembleia Nacional Popular (parlamento), em março do ano passado.

  • Celebridades protestam contra Donald Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Encontrados dez sobreviventes no hotel engolido por um avalanche em Itália
    1:44
  • Videoclipe mostra mulheres a fazer tudo o que é proibido na Arábia Saudita
    1:55

    Mundo

    Um grupo de mulheres canta, dança e faz outras coisas proibidas na Arábia Saudita como forma de protesto. O vídeo é uma crítica social à forma como as mulheres islâmicas são tratadas pelos maridos. Na letra constam frases como "Faz com que os homens desapareçam da terra" e "Eles provocam-nos doenças psicológicas". A ideia partiu de um homem, Majed al-Esa e já conta com 5 milhões de visualizações.

    Patrícia Almeida