sicnot

Perfil

Mundo

Quase 40 mortos em combates no noroeste da Síria

Pelo menos 39 pessoas morreram nas últimas horas em combates entre as forças do regime sírio e fações islâmicas pelo controlo da localidade de Kafr Nabuda, no noroeste da Síria, informou hoje o Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

SIC

Do total das vítimas, pelo menos 25 são efetivos e milicianos governamentais, alguns de nacionalidade não síria, enquanto os restantes são rebeldes.

Ambas as partes disputam o domínio de Kafr Nabuda, na província central de Hama, cujo controlo o exército havia tomado na segunda-feira, ainda que os rebeldes tenham conseguido conquistar terreno mais tarde.

Os combates prosseguiam hoje na periferia dessa povoação e na zona de Al Sukaik.

Esta quinta-feira, as forças armadas sírias anunciaram o lançamento de uma ofensiva de grande escala contra os "terroristas".

As operações militares centram-se nas províncias de Hama e Latakia e contam com a cobertura de aviões russos que estão a bombardear bases dos seus oponentes.

  • Reportagem Especial dá a voz aos despedidos da banca
    1:18
  • CEMGFA admite que várias armas roubadas estão em condições de ser usadas
    2:06

    Assalto em Tancos

    Afinal há várias armas roubadas em Tancos que estão em condições de ser utilizadas, sendo que apenas os lança-granadas-foguete estão obsoletos. Esta manhã, o general Pina Monteiro admitiu, no Parlamento, que a declaração que fez há duas semanas pode ter induzido em erro a opinião pública. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) diz, ainda, que se houvesse indícios sobre colaboração do Exército neste caso, os suspeitos estariam presos.

  • Pais de Charlie Gard querem que o bebé morra em casa

    Mundo

    Depois de terem renunciado à batalha judicial para manterem o filho com vida, os pais do bebé britânico Charlie Gard desejam agora levar a criança para morrer em casa. O desejo foi revelado pelo advogado de Chris Gard e Connie Yates, numa audiência esta tarde, no Supremo Tribunal de Londres. Contudo, o hospital responsável pelo caso admite que os cuidados a Charlie não podem ser feitos em casa.