sicnot

Perfil

Mundo

Degelo da Antártida vai fazer subir nível do mar três metros

Investigadores da Universidade Victoria de Wellington, na Nova Zelândia, acreditam que o degelo da Antártida provocado pelas alterações climáticas poderá elevar o nível do mar até três metros no ano de 2300, revela esta quarta-feira a revista "Nature".

Os investigadores sublinham que a única solução para contrariar o grave impacto do degelo da Antártida é reduzindo a emissão de gases nas próximas décadas. (Arquivo)

Os investigadores sublinham que a única solução para contrariar o grave impacto do degelo da Antártida é reduzindo a emissão de gases nas próximas décadas. (Arquivo)

© NASA NASA / Reuters

Com base em simulações climáticas, o estudo publicado na revista "Nature" revela que, no final deste século, os aquecimentos atmosféricos e oceânicos poderão provocar a perda de 80 a 85% da capa de gelo da Antártida, o que se traduzirá num aumento do nível do mar.

Ainda que seja difícil quantificar com precisão as quantidades de gelo e a subida do nível do mar, a equipa de investigadores elaborou um modelo que contempla diferentes cenários, entre os quais o impacto do homem tendo em conta o desenvolvimento económico ou as novas tecnologias.

Num cenário em que a atuação do homem se mantenha como até agora, a temperatura global poderá aumentar entre oito a dez graus nos próximos três séculos.

Os investigadores sublinham que a única solução para contrariar o grave impacto do degelo da Antártida é reduzindo a emissão de gases nas próximas décadas.

Lusa

  • O continente sem fronteiras

    Grande Reportagem Interativa

    A Antártida, também conhecida como continente branco ou gelado, é o único continente do Planeta onde não existem países nem população humana nativa. O tratado da Antártida foi assinado em 1952 por 12 países (ver Tratado) entre os quais sete que mantêm reivindicações territoriais na região. O documento congela as pretensões territoriais e reserva para investigação cietífica e fins pacíficos toda a área a sul do paralelo 60º S.

  • Como cebolas na Antártida

    Grande Reportagem Interativa

    As temperaturas variam muito dependendo do local da Antártida, mas mesmo na Península Antártica onde o clima é menos rigoroso em pleno verão austral as temperaturas rondam os zero graus e a sensação térmica pode variar entre -5º C e -10ºC, se estiver muito vento e chuva ou neve. Por isso quem vai para a Antártida deve ir prevenido com roupa e calçado adequados e saber vestir-se em camadas, como uma cebola.

  • "Fiquei impressionado com investigação que se faz na Antártida"

    Campanha Antártica Portuguesa

    A convite do Instituto Antártico Chileno (INACH), que tem sido um dos mais importantes parceiros dos portugueses na logística das campanhas antárticas nacionais, Paulo Pereira, visitou no início deste ano várias bases científicas do Chile, mas também da Argentina, Espanha, EUA e Reino Unido, em vários locais da Antártida. A SIC entrevistou Paulo Pereira, vogal do Conselho Diretivo da Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT), a propósito da Grande Reportagem "Laboratório Antártida".

  • Laboratório Antártida

    Programas

    A Antártida é um dos locais do mundo onde as alterações climáticas se estão a fazer sentir de forma mais rápida e intensa. Mas o que se passa no extremo sul poderá ter implicações globais. Os efeitos do aumento da temperatura, do recuo dos glaciares ou da acidificação dos oceanos são algumas questões que estão a ser estudadas na Antártida, um continente dedicado à investigação científica e à cooperação internacional, e onde os portugueses também têm ido fazer Ciência.

  • "Quem não deve não teme"

    Football Leaks

    O futebolista português Cristiano Ronaldo, questionado sobre a sua alegada fuga ao fisco veiculada pela investigação "Football Leaks", disse que "quem não deve não teme", numa reação difundida esta quinta-feira pela rádio espanhola Onda Cero.

  • Cerca de 150 civis doentes retirados de Alepo

    Mundo

    Cerca de 150 civis, a maioria doentes ou deficientes, foram retirados na noite de quarta-feira para quinta-feira de um centro de saúde de Aleppo, na parte mais antiga da cidade tomada pelo exército sírio, anunciou a Cruz Vermelha internacional.