sicnot

Perfil

Mundo

Governo do Sudão acusado de impedir entrega de rações à missão da ONU no Darfur

As autoridades sudanesas estão a impedir a entrega de rações e outros mantimentos necessários destinados às tropas que integram a Missão da União Africana-ONU no Darfur (UNAMID), acusou hoje o embaixador britânico nas Nações Unidas, Matthew Rycroft.

© Mohamed Nureldin Abdallah / R

"Eles estão a reter rações cruciais e outras mercadorias (na cidade marítima) de Port Sudan destinado às tropas da UNAMID", afirmou aos jornalistas Matthew Rycroft, apelando ao governo sudanês para "parar" com o embargo que "vem acontecendo há semanas".

A menos que o executivo de Cartum levante o bloqueio, a ONU terá de tomar medidas adicionais para entregar os suplementos, que podem resultar em milhões de dólares de custos adicionais para o orçamento de manutenção da paz, alertou Matthew Rycroft.

O diplomata ameaçou apresentar a questão no decurso da reunião de hoje do Conselho de Segurança da ONU.

Face à situação, o custo mensal total para obter suprimentos necessários visando garantir as forças de paz no terreno poderá aumentar de 2,6 milhões para 11,3 milhões de euros, estimou Matthew Rycroft.

Criada em 2007, a missão, integra 17.000 soldados e policias e tem uma estrutura de duplo comando da ONU e União Africana que garante ajuda humanitária e a proteção de civis na região do Darfur, que há 12 anos é palco de violência entre rebeldes e o governo de Cartum.

O conflito já provocou 300 mil mortos e dois milhões de deslocados internos, segundo estimativas das Nações Unidas.

Lusa

  • Marcelo de volta a casa após diagnóstico de gastroenterite aguda
    3:37
  • "Todas as decisões que tomei foi sempre a pensar no Sporting primeiro"
    2:08
  • Saransk tanto anseia por Ronaldo que até lhe fizeram um vídeo e uma música
    3:07
  • Portugal quer atrair imigrantes
    1:28

    País

    O Governo prepara-se para regularizar a situação de 30 mil imigrantes ilegais que vivem em Portugal. De acordo com a edição deste sábado do semanário Expresso, o Executivo pretende também abrir portas a 75 mil novos imigrantes por ano.