sicnot

Perfil

Mundo

Israel anuncia mais medidas para travar onda de ataques palestinianos

Israel anunciou esta quarta-feira mais medidas para tentar acabar com uma onda de ataques palestinianos, facilitando a licença de porte de armas para os israelitas e retirando a autorização de residência a alguns habitantes de Jerusalém oriental.

Uma onda de ataques, sobretudo esfaqueamentos, realizados por palestinianos levantou receios de uma revolta em larga escala.

Uma onda de ataques, sobretudo esfaqueamentos, realizados por palestinianos levantou receios de uma revolta em larga escala.

© Mohamad Torokman / Reuters

Horas depois de a polícia ter estabelecido controlos nos bairros palestinianos da zona de Jerusalém anexada, o ministro do Interior israelita, Silvan Shalom, disse que revogava o estatuto de residente dos palestinianos da cidade que participaram em ataques contra judeus.

Uma onda de ataques, sobretudo esfaqueamentos, realizados por palestinianos levantou receios de uma revolta em larga escala.

Segundo fontes policiais, a onda de violência que afeta a região desde dia 1 já causou a morte de sete israelitas e de cerca de 30 palestinianos, 11 dos quais após realizarem ou tentarem realizar atentados.

"Dezanove atacantes de Jerusalém oriental -- penso ser esse o número mais ou menos -- terão a sua residência cancelada", disse Shalom à rádio pública.

Cerca de 310 mil palestinianos vivem em Jerusalém oriental, capturada por Israel na designada Guerra dos Seis Dias em 1967 e posteriormente anexada numa medida que nunca foi reconhecida internacionalmente.

O Estado hebreu atribui-lhes o estatuto de residente permanente, o que lhes permite o acesso a benefícios sociais e de saúde. Se cumprirem determinadas condições, estes palestinianos podem candidatar-se à cidadania plena, mas por razões políticas uma vasta maioria não o faz.

A organização de direitos humanos Human Rights Watch disse que a revogação dos direitos de residência é "equivalente à deportação" e proibida pela lei internacional humanitária.

"Jerusalém oriental é território ocupado sob a lei internacional (...) A deportação é estritamente proibida", disse à agência France Presse Srai Bashi, diretor da organização para a área Israel/Palestina.

Shalom disse ainda que o ministro da Justiça, Ayelet Shaked, está a trabalhar em legislação que poderá impedir familiares de alegados atacantes mortos em incidentes de receberem benefícios sociais.

Para proteger os israelitas, o ministro da Segurança Interna, Gilad Erdan, escreveu na rede social Facebook que decidiu "facilitar as condições para conceder uma licença de porte de arma".

Lusa

  • Israel reforça patrulhamento policial nas principais zonas árabes
    1:50

    Mundo

    O exército israelita mobilizou centenas de militares para ajudar a polícia na patrulha das principais cidades e conter a escalada da violência que nos últimos 14 dias já matou perto de 40 pessoas, 30 palestinianos e sete israelitas. A mobilização destas companhias militares é a primeira de uma série de medidas aprovadas ontem pelo executivo israelita que tenta travar a vaga de atentados com recurso a armas brancas. A polícia já recebeu luz verde para selar áreas árabes de Jerusalém e revogar o estatuto de residência permanente a cidadãos palestinianos suspeitos de participação em atos de terrorismo, como adianta o correspondente da SIC em Israel, Henrique Cymerman.

  • A fábrica de caças na base aérea de Monte Real
    3:35
  • Comprar ou arrendar casa?
    8:25
  • Fui contactado por um espectador do “Contas-Poupança” (quartas-feiras, Jornal da Noite, SIC) e leitor do blogue www.contaspoupanca.pt, que foi surpreendido com uma carta do banco a aumentar o spread porque um dos serviços que tinha subscrito tinha sido extinguido. Neste caso específico, a domiciliação de ordenado. Ora, o cliente ficou estupefacto porque não mudou de empresa, não foi despedido nem tinha havido nenhuma alteração no recebimento do ordenado naquela conta.

    Pedro Andersson

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Temer acusado de prejudicar Polícia Federal
    2:36
  • Violência volta às favelas do Rio de Janeiro
    3:21

    Mundo

    As favelas do Rio de Janeiro voltaram aos níveis de violência dos anos 90. A cidade de Deus foi uma das favelas pacificadas que voltou a registar tiroteios diariamente, os moradores falam de situações de trauma e do medo das crianças.

  • Trump interrompe telefonema para elogiar jornalista

    Mundo

    A jornalista irlandesa Caitriona Perry viu-se esta terça-feira envolvida num momento que a própria classificou de "bizarro": um encontro inesperado com Donald Trump, que interrompeu um telefonema com o primeiro-ministro irlandês para... a elogiar.

    SIC

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.

  • Cão corre os EUA a entregar águas aos árbitros em jogos de basebol
    0:20