sicnot

Perfil

Mundo

Placebo faz correr mais depressa

Poderá uma cápsula com água salgada fazer uma pessoa correr mais depressa? A resposta parece ser sim, se a pessoa acreditar que a água salgada contém mais alguma coisa que a faça correr mais, revela um novo estudo sobre o poder dos placebos na atividade física.

© Tobias Schwarz / Reuters

É tudo uma questão de mentalização, de acreditar que se pode ir mais longe. A conclusão é de uma investigação levada a cabo por cientistas da Universidade de Glasgow.

Foram recrutados 15 homens que não corriam profissionalmente dizendo-lhe que seria neles testada uma fórmula nova e legal de eritropoietina, ou E.P.O., uma substância que aumenta o número de glóbulos vermelhos no organismo. É utilizada como doping em alguns desportos, já que um maior número de glóbulos vermelhos significa que mais oxigénio é transportado para os músculos, logo, o desempenho melhora.

Esta "droga" era, no entanto, uma solução salina que foi injectada em cerca de metade do grupo. No final, a maioria dos homens que tomou a "droga" afirmou que tinha sentido que os exercícios físicos tinham sido mais fáceis e que tinha sido mais fácil a recuperação.

A droga falsa teve um "efeito de melhoramento do desempenho muito significativo", afirma o líder da equipa, o fisiologista Ramzy Ross.

  • António Costa evita perguntas sobre estágios não remunerados
    1:55
  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.