sicnot

Perfil

Mundo

Três explosões na cidade nigeriana de Maiduguri provocaram várias mortes

Três explosões atingiram esta terça-feira a cidade de Maiduguri, no nordeste da Nigéria, causando várias mortes, segundo relatos de moradores e da Cruz Vermelha citados pela agência de notícias francesa.

As explosões ocorreram no distrito de Ajilari Cruz, que foi alvo de dois ataques semelhantes nas últimas semanas e que fizeram pelo menos 117 mortos. (Arquivo)

As explosões ocorreram no distrito de Ajilari Cruz, que foi alvo de dois ataques semelhantes nas últimas semanas e que fizeram pelo menos 117 mortos. (Arquivo)

© Stringer . / Reuters

As explosões ocorreram no distrito de Ajilari Cruz, que foi alvo de dois ataques semelhantes nas últimas semanas e que fizeram pelo menos 117 mortos.

Estes ataques foram atribuídos ao grupo islâmico Boko Haram, que tem intensificado a sua atuação contra alvos civis nos últimos meses usando homens-bomba e explosivos improvisados.

Ainda não é conhecida a origem das três explosões, que ocorreram às 20:10 locais (19:10 em Lisboa), contou à agência de notícias France Press um morador do bairro, Mohammed Bashir.

Já um funcionário da Cruz Vermelha acrescentou que "muitas pessoas foram mortas", sem conseguir avançar com um número.

Até ao momento, nem a polícia nem o exérito fez comentários, sendo por isso escassas as informações do que se passa na cidade, que está sujeita a um recolher obrigatório.

O Boko Haram é acusado de ser responsável pela morte de mais de 17 mil pessoas e mais de 2,5 milhões de deslocados desde 2009.

Desde o início do mandato do novo Presidente Muhammadu Buhari, a 29 de maio, o Boko Haram foi considerado responsável pela morte de mais de 1.320 pessoas.

Lusa

  • Captura ilegal de cavalos-marinhos na Ria Formosa
    3:02

    País

    Há cada vez menos cavalos marinhos na Ria Formosa. Cientistas da Universidade do Algarve dizem que a maior população desta espécie no mundo, que é a que existe na Ria Formosa, está ameaçada devido à captura ilegal para o mercado asiático. Dizem que, se nada for feito para travar este fenómeno, esta espécie protegida pode desaparecer em poucos anos.