sicnot

Perfil

Mundo

Poluição em 80% das cidades chinesas acima dos padrões domésticos

Os níveis de poluição em 80% das cidades chinesas observadas pela Greenpeace excederam amplamente os padrões nacionais, nos primeiros nove meses do ano, disse hoje aquela organização ambientalista.

© Kim Kyung Hoon / Reuters

A concentração de partículas PM2.5 - as mais finas e suscetíveis de se infiltrarem nos pulmões - por metro cúbico, em 367 cidades testadas, foi também quatro vezes superior ao máximo recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

O uso de carvão como fonte de energia é genralizado e emissões da indústria pesada regularmente cobrem as cidades chinesas num manto de poluição, que causa todos os anos centenas de milhares de mortes prematuras.

Esta é uma das principais fontes de descontentamento popular no país e o Governo chinês já anunciou medidas como o encerramento ou deslocação de unidades alimentadas a carvão.

No conjunto, os níveis de poluição nos primeiros meses deste ano foram 10% inferiores aos do mesmo período do ano passado.

As cidades mais poluídas foram Kashgar e Hotan na região autónoma de Xinjiang, no noroeste da China, e Baoding, uma zona industrial do norte.

Pequim figura também entre as cidades mais poluídas, com a densidade de partículas PM2.5 a atingir os 72,1 microgramas por metro cúbico, muito acima dos 10 máximos recomendados pela OMS e mais do dobro do padrão determinado pelas autoridades chinesas, de 35.

Na semana passada, a poluição extrema levou a que vários tenistas se sentissem mal durante o torneio de Pequim, enquanto nas bancadas os adeptos usavam máscaras para se protegerem contra a inalação de impurezas.

Lusa

  • Três letras de Zeca Afonso

    Cultura

    No dia em que se assinalam 30 anos da morte de Zeca Afonso, Raquel Marinho, jornalista da SIC e divulgadora de poesia portuguesa contemporânea, escolhe três letras do cantor e autor para dizer, em forma de homenagem.

    Raquel Marinho

  • Cunhado do Rei de Espanha em liberdade sem caução

    Mundo

    Inaki Urdangarin vai mesmo aguardar o desenrolar do recurso em liberdade na Suíça, onde o marido da Infanta Cristina tem residência oficial e onde terá de se apresentar às autoridades uma vez por mês, para além de estar obrigado a comunicar qualquer deslocação fora da Europa. De fora fica ainda o pagamento da caução de 200 mil euros pedida pelo Ministério Público espanhol.