sicnot

Perfil

Mundo

Conselho de Segurança da ONU reúne hoje de emergência devido a violência em Jerusalém

O Conselho de Segurança da ONU vai realizar hoje uma reunião de emergência para discutir o aumento da violência em Israel e nos territórios palestinianos ocupados.

© Mike Segar / Reuters

Os diplomatas dos países do grupo árabe nas Nações Unidas mantiveram um encontro na tarde de quinta-feira sobre o assunto, durante a qual encarregaram a Jordânia de contactar a presidência espanhola do Conselho de Segurança a fim de organizar esta reunião, disse aos jornalistas o embaixador palestiniano na ONU, Riyad Mansur.

A reunião do Conselho de Segurança da ONU está marcada para as 11:00 (16:00 em Lisboa).

O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, tem apelado repetidamente à calma após semanas marcadas por atos de violência que resultaram em pelo menos 30 mortos.

"A situação é explosiva, o Conselho deve assumir a sua responsabilidade e devemos fazer tudo para travar o derramamento de sangue e, em seguida, discutir como proteger a população civil dos territórios palestinianos", sublinhou o diplomata.

A onda de violência em Israel e nos territórios palestinianos nas últimas duas semanas tem feito aumentar o receio de um terceiro levantamento popular palestiniano, depois dos de 1987-1993 e 2000-2005, que causaram milhares de mortos.

Lusa

  • Aeroporto Cristiano Ronaldo? Nem todos os madeirenses estão de acordo
    2:21
  • Fatura da água a dobrar
    2:26

    Economia

    Desde o início do ano que a população de Celorico de Basto está a receber duas faturas da água para pagar. Tanto a Câmara como a Águas do Norte reclamam o direito a cobrar pelo serviço. Contactada pela SIC, a Entidade Reguladora esclarece que o município não pode emitir faturas e tem de devolver o dinheiro.

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43

    Daesh

    Há suspeitas de que o Daesh tenha criado uma vala comum com cerca de seis mil corpos a sul de Mossul, no Iraque. A área em redor estará minada. A revelação é de uma equipa de reportagem da televisão britânica Sky News.

  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.