sicnot

Perfil

Mundo

Luaty Beirão transferido para hospital privado por precaução

O rapper e ativista angolano Luaty Beirão, em greve de fome desde 21 de setembro, foi transferido na quinta-feira de uma cadeia de Luanda para uma clínica privada, por "precaução", disse hoje à Lusa fonte dos serviços prisionais.

O jovem, de 33 anos, é um dos 15 ativistas detidos desde 20 de junho e acusados em setembro, pelo Ministério Público, de atos preparatórios para uma rebelião e um atentado contra o Presidente angolano.

"Neste momento passa bem, preferiu-se mandá-lo para uma unidade mais diferenciada, por uma questão de precaução", disse hoje à Lusa Manuel Freire, chefe nacional do departamento de saúde dos Serviços Prisionais angolanos.

Sem adiantar mais pormenores, o responsável garantiu que Luaty Beirão "não está em risco de vida" e que o seu estado de saúde "continua estável", apesar de entrar hoje no 26.º dia de greve de fome.

Desde quinta-feira que o jovem ativista, descendente de portugueses, está internado numa clínica privada de Luanda, transferido do hospital-prisão de São Paulo, também na capital, onde estava desde 09 de outubro.

Antes, desde 20 de junho, permanecia detido num dos estabelecimentos prisionais de Luanda, tal como os restantes 14 elementos visados na operação de junho das autoridades angolanas.

"Agora são 26 dias de greve de fome e isto já implica outras coisas. Anteontem, o Luaty teve uma dormência no rosto e isso preocupou a equipa médica dos Serviços Prisionais", disse hoje à Lusa a esposa, Mónica Almeida, que o visitou na clínica privada na quinta-feira.

Confirmou que Luaty Beirão, que já não se movimenta pelos próprios meios, "ainda está lúcido" e que inclusive escreveu uma carta, à qual a Lusa teve acesso, com procedimentos à família no caso do agravamento do seu estado de saúde ou mesmo a morte.

"Ele é assim, uma pessoa muito convicta, muito vertical, no que toca à defesa dos seus direitos. Nada mais podemos fazer em relação a isso", acrescentou Mónica Almeida.

Em causa está a situação de um grupo de 17 jovens - duas em liberdade provisória - acusados formalmente, desde 16 de setembro passado, de prepararem uma rebelião e um atentado contra o Presidente angolano, mas sem que haja uma decisão do tribunal de Luanda sobre a prorrogação da prisão preventiva em que se encontram.

Denunciando que está detido ilegalmente, por se ter esgotado o prazo máximo de 90 dias de prisão preventiva (20 de junho a 20 de setembro) sem nova decisão, Luaty Beirão, também engenheiro de formação, entrou em greve de fome.

A família de Luaty afirma que o ativista - que assina com os heterónimos musicais "Brigadeiro Mata Frakuzx" ou, mais recentemente, "Ikonoklasta" - corre "risco de vida", face à frágil situação de saúde, sendo, por isso, o foco principal das vigílias que se realizaram na última semana em Luanda e que levaram à intervenção policial para a sua desmobilização.

Luaty Beirão é um dos rostos mais visíveis da contestação ao regime angolano e já chegou a ser preso pela polícia em manifestações de protesto.

É filho de João Beirão, já falecido, que foi fundador e primeiro presidente da Fundação Eduardo dos Santos (FESA), entre outras funções públicas, sendo descrito por várias fontes como tendo sido sempre muito próximo do Presidente angolano.

Lusa

  • Rui Machete rejeita intervenção portuguesa no caso das detenções em Angola
    3:18

    Mundo

    O ministro dos Negócios Estrangeiros diz que Portugal não vai intervir na questão da prisão dos 15 ativistas angolanos, sublinhando que se trata de um assunto da Justiça de Angola. Rui Machete adiantou, no entanto, que na próxima quarta-feira Portugal vai participar numa reunião entre os embaixadores da União Europeia e o ministro da Justiça angolano. Entre os 15 jovens detidos desde junho, está o músico Luaty Beirão, que entrou esta segunda-feira no 22º dia de greve de fome, em protesto contra a prisão preventina que já ultrapassou o prazo previsto pela lei angolana.

  • Governo prepara projeto para suavizar transição para a reforma
    1:38

    Economia

    O Governo quer suavizar a transição do trabalho para a reforma. A ideia é que essa passagem seja feita gradualmente e não de um dia para o outro, o que pode ser mais traumático. O projeto prevê a possilidade de o trabalhador cumprir meio horário e acumular com meia pensão.

  • Portugal pode perder parte dos fundos comunitários
    2:21

    Economia

    Portugal arrisca-se a perder parte dos fundos comunitários atribuídos ao país, se não acelerar a execução dos programas que têm comparticipação de Bruxelas. A notícia é avançada pelo jornal Público, que revela que o país ainda está longe de cumprir as metas mínimas. O Executivo desdramatiza e acredita que serão cumpridas até ao final do ano. O Governo diz mesmo que Portugal deverá ser um dos países com melhores taxas de execução.

  • Proteína tóxica que se acumula no cérebro pode ser uma das causas do Alzheimer
    2:33

    País

    Uma proteína tóxica que se acumula no cérebro pode ser uma das causadoras do Alzheimer. A revelação, feita pelo prémio Nobel da Medicina de 2014, será discutida no terceiro dia da cimeira mundial sobre doenças neurodegenerativas na Fundação Champalimaud, em Lisboa. A partir de hoje, serão apresentadas novidade nas investigações científicas sobre a epidemia silenciosa, que atinge 50 milhões de pessoas em todo o mundo.

  • Primeiro discurso de Costa na ONU alinhado com o de Guterres

    País

    O primeiro-ministro, António Costa, proferirá hoje o seu primeiro discurso na Assembleia Geral das Nações Unidas, devendo estar muito alinhado com a agenda política apresentada na terça-feira pelo secretário-geral da ONU, António Guterres, valorizando o multilateralismo.

  • Habitantes da favela da Rocinha temem novo episódio violento
    2:54

    Mundo

    Localizada no Rio de Janeiro, a Rocinha, maior favela do Brasil, foi palco de um tiroteio entre traficantes, no último fim de semana. Agora, pelo terceiro dia consecutivo, a polícia do Rio de Janeiro está a fazer um cerco em algumas favelas cariocas à procura de traficantes. A comunidade está assustada e receia que episódios violentos como este se repitam.