sicnot

Perfil

Mundo

ONU diz que bombardeamentos aéreos na Síria dificultam entrega de ajuda humanitária

A escalada do conflito na Síria tem complicado a já difícil tarefa das Nações Unidas de entregar ajuda humanitária aos milhões de pessoas em dificuldades, admitiu o chefe das missões humanitárias da ONU, Stephen O'Brien.

Reuters/Arquivo

Reuters/Arquivo

© Ibraheem Abu Mustafa / Reuter

"Estamos a ver que o aumento das missões de bombardeamento aéreo, seja de quem for, está a colocar as rotas de abastecimento num risco maior", declarou O'Brien em entrevista à agência France Presse.

Os combates na Síria aumentaram de nível desde que a Rússia começou a fazer missões de bombardeamento aéreo no final do mês passado. Uma coligação internacional liderada pelos Estados Unidos tem realizado bombardeamentos há mais de um ano.

O'Brien disse que a ONU "tem sido incapaz de fazer chegar tantas colunas [de transporte de alimentos e outros materiais] às pessoas em necessidades como seria desejável".

O conflito na Síria, que começou em março de 2011, já resultou na morte de cerca de 250 mil pessoas e forçou mais de metade da população do país a fugir de suas casas, incluindo mais de quatro milhões que saíram do país como refugiados.

Mais de 12 milhões de sírios precisam "desesperadamente de ajuda humanitária", disse O´Brien, acrescentando que a ONU está a "trabalhar incessantemente na busca de rotas seguras para fazer chegar essa ajuda".

O responsável da ONU disse que uma coluna humanitária poderá chegar em breve a Zabadani, o último reduto dos rebeldes na fronteira da Síria com o Líbano, na sequência de um cessar-fogo de seis meses alcançado em setembro.

No entanto, O´Brien reiterou que a situação ainda está confusa e que a ONU não dará ordem de partida às colunas "sem antes ter recebido garantias de que a passagem é segura".

O Kremlin afirma que a campanha aérea russa visa ajudar as forças militares do presidente sírio Bashar al-Assad a combater o grupo terrorista 'jihadista' Estado Islâmico.

Já hoje, Moscovo afirmou ter atingido mais de 380 "alvos do Estado Islâmico".

No entanto, os rebeldes e alguns dos seus apoiantes a nível internacional afirmam que os bombardeamentos russos têm como objetivo apoiar sobretudo o presidente Assad e que os seus alvos têm sido forças da oposição moderada e islamista, e não 'jihadistas'.

Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.