sicnot

Perfil

Mundo

ONU diz que bombardeamentos aéreos na Síria dificultam entrega de ajuda humanitária

A escalada do conflito na Síria tem complicado a já difícil tarefa das Nações Unidas de entregar ajuda humanitária aos milhões de pessoas em dificuldades, admitiu o chefe das missões humanitárias da ONU, Stephen O'Brien.

Reuters/Arquivo

Reuters/Arquivo

© Ibraheem Abu Mustafa / Reuter

"Estamos a ver que o aumento das missões de bombardeamento aéreo, seja de quem for, está a colocar as rotas de abastecimento num risco maior", declarou O'Brien em entrevista à agência France Presse.

Os combates na Síria aumentaram de nível desde que a Rússia começou a fazer missões de bombardeamento aéreo no final do mês passado. Uma coligação internacional liderada pelos Estados Unidos tem realizado bombardeamentos há mais de um ano.

O'Brien disse que a ONU "tem sido incapaz de fazer chegar tantas colunas [de transporte de alimentos e outros materiais] às pessoas em necessidades como seria desejável".

O conflito na Síria, que começou em março de 2011, já resultou na morte de cerca de 250 mil pessoas e forçou mais de metade da população do país a fugir de suas casas, incluindo mais de quatro milhões que saíram do país como refugiados.

Mais de 12 milhões de sírios precisam "desesperadamente de ajuda humanitária", disse O´Brien, acrescentando que a ONU está a "trabalhar incessantemente na busca de rotas seguras para fazer chegar essa ajuda".

O responsável da ONU disse que uma coluna humanitária poderá chegar em breve a Zabadani, o último reduto dos rebeldes na fronteira da Síria com o Líbano, na sequência de um cessar-fogo de seis meses alcançado em setembro.

No entanto, O´Brien reiterou que a situação ainda está confusa e que a ONU não dará ordem de partida às colunas "sem antes ter recebido garantias de que a passagem é segura".

O Kremlin afirma que a campanha aérea russa visa ajudar as forças militares do presidente sírio Bashar al-Assad a combater o grupo terrorista 'jihadista' Estado Islâmico.

Já hoje, Moscovo afirmou ter atingido mais de 380 "alvos do Estado Islâmico".

No entanto, os rebeldes e alguns dos seus apoiantes a nível internacional afirmam que os bombardeamentos russos têm como objetivo apoiar sobretudo o presidente Assad e que os seus alvos têm sido forças da oposição moderada e islamista, e não 'jihadistas'.

Lusa

  • PS e BE não propõem alívio da dívida à UE
    1:55

    Economia

    O PS e o Bloco de Esquerda querem mais 45 anos para pagar as dívidas à União europeia e juros mais baixos. As medidas fazem parte da proposta dos partidos para a redução da dívida pública. No relatório que será enviado ao Governo, não é pedido qualquer perdão de dívida, ao contrário do que os partidos mais à esquerda chegaram a defender.

  • Antigos ministros de Governos de Sócrates ouvidos pelo MP
    1:54

    Operação Marquês

    Quatro antigos ministros de Governos de José Sócrates foram ouvidos recentemente pelo Ministério Público (MP), no âmbito da Operação Marquês. Mário Lino, António Mendonça, Teixeira dos Santos e Luís Campos e Cunha foram ouvidos como testemunhas. Os investigadores chamaram os antigos governantes para esclarecer decisões relacionadas com a PT.

    Notícia SIC

  • Suspeito de atropelamento mortal diz que foi mero acidente 
    2:00
  • Confrontos na primeira greve geral no Brasil em 21 anos
    1:34
  • "Está na altura de pressionarmos a Coreia do Norte"
    0:45

    Mundo

    O secretário de estado norte-americano, Rex Tillerson, afirmou esta sexta-feira na ONU que a ameaça da Coreia do Norte é real e pediu que o conselho de segurança da ONU tome medidas antes que seja o regime de pyongyang a fazê-lo.

  • Menina que nasceu com três pernas já corre após a cirurgia

    Mundo

    Uma criança do Bangladesh que cresceu com três pernas vai regressar a casa, depois de uma viagem até à Austrália, onde foi operada para retirar o membro a mais. Como resultado de um gémeo que não se formou por completo, a criança de três anos nasceu com uma terceira perna na pélvis. Alguns meses após a cirurgia, feita em novembro, a menina já corre.